Ouça agora

Ao vivo

Prefeitura de Duque de Caxias anuncia canalização do canal dois irmãos
Baixada Fluminense
Prefeitura de Duque de Caxias anuncia canalização do canal dois irmãos
Prefeitura vai levar artesanato de Angra para o Rio Artes
Angra dos Reis
Prefeitura vai levar artesanato de Angra para o Rio Artes
Prefeitura de Nova Iguaçu retoma obras do Viaduto de Comendador Soares
Nova Iguaçu
Prefeitura de Nova Iguaçu retoma obras do Viaduto de Comendador Soares
TRE-RJ amplia horário de atendimento até a data do fechamento do cadastro eleitoral
Estado
TRE-RJ amplia horário de atendimento até a data do fechamento do cadastro eleitoral
Capela São Jorge, em Campos, tem programação religiosa nesta terça
Norte Fluminense
Capela São Jorge, em Campos, tem programação religiosa nesta terça
Lula anuncia ampliação do programa Pé-de-Meia
Política
Lula anuncia ampliação do programa Pé-de-Meia
Valendo vaga para as Olimpíadas de Paris, Campeonato Pan-Americano e Oceania de Judô 2024 começa com apoio do Governo do Estado
Esportes
Valendo vaga para as Olimpíadas de Paris, Campeonato Pan-Americano e Oceania de Judô 2024 começa com apoio do Governo do Estado

Está firmada a parceria da Fiocruz com Inca sobre estudo dos custos do câncer no SUS

A parceria inédita irá reunir as duas instituições de ponta do sistema público de saúde.
Foto: Por Peter Ilicciev/Divulgação Portal Fiocruz

A Fiocruz e o Instituto Nacional de Câncer (Inca) assinaram, nesta terça-feira (13), no 8° Fórum Big Data em Oncologia, um acordo de cooperação técnica visando desenvolver novos produtos e incorporar tecnologias que facilitem o tratamento do câncer e diminuam os custos para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Essa é uma parceria inédita reunindo duas instituições de ponta do sistema público de saúde. Além disso a Fiocruz está se unindo com a empresa farmacêutica francesa Servier, da segunda edição de um prêmio internacional que visa estimular projetos para o desenvolvimento de terapias inovadoras para pacientes com câncer. O 8° Fórum Big Data em Oncologia contou com painéis em que foram discutidos o acesso dos pacientes e os custos para o SUS.

O vice-presidente de Produção e Inovação da Fiocruz, Marco Aurélio Krieger, lembra que, enquanto produtora de insumos, a Fiocruz procura atender algumas demandas importantes do SUS que estão relacionadas às doenças crônico-degenerativas, notadamente o câncer, que cada vez causam mais impactos ao sistema de saúde, função que impulsionou o acordo com o Inca.

– A parceria com o Inca favorece uma interação importante entre os pesquisadores das duas instituições. O acordo prevê desdobramentos do ponto de vista do diagnóstico, da saúde pública de precisão, do uso das ferramentas de sequenciamento genômico para identificar as melhores alternativas terapêuticas e ainda o desenvolvimento de novas terapias, quer seja por produtos biológicos ou sintéticos ou ainda as mais avançadas tecnologias, que têm grande potencial de uso contra o câncer e estão chegando ao Brasil – afirma Krieger.

Para o coordenador de Pesquisa e Inovação do Inca, João Viola, a cooperação entre a Fiocruz e o Inca tem como objetivo principal estreitar as relações entre as duas instituições no ensino, pesquisa e inovação na área do câncer.

– Estamos juntando esforços para resolução de problemas relacionados à área de oncologia, assim como no desenvolvimento de conhecimentos acerca de pontos considerados estratégicos – declara.

Na prática a parceria entre a Fiocruz e o Inca vai funcionar por meio de grupos de pesquisa específicos, com pesquisadores da Fiocruz e do Inca, que vão trabalhar na validação e desenvolvimento de novas ferramentas, para a área de medicamentos, de diagnóstico e de biológicos e terapias avançadas.

Foto: Por Peter Ilicciev/Divulgação Portal Fiocruz

Para Krieger, o 8° Fórum Big Data em Oncologia é um divisor de águas.

– Vamos solidificar um movimento da Fiocruz de dar maior atenção às doenças crônico-degenerativas, estabelecendo um novo patamar na área ao associar diferentes grupos de pesquisa da instituição com atores externos”. O Fórum teve por objetivo organizar informações, dar visibilidade aos achados e fomentar a discussão sobre a aplicação dos dados no planejamento, elaboração e monitoramento das políticas de atenção oncológica. Dois pesquisadores-associados do Centro de Estudos Estratégicos (CEE) da Fiocruz, o ex-ministro da Saúde José Temporão, e o ex-diretor do Inca Luiz Antonio Santini, participaram do Fórum e fizeram parte de painéi – declarou.

Durante o evento também foi divulgado o estudo sobre os gastos federais, não incluindo números estaduais, municipais, filantrópicos e privados, na área de saúde, em 2022, que passaram de R$ 136 bilhões. Deste total, mais de R$ 62 bilhões foram gastos em assistência hospitalar e ambulatorial e quase R$ 4 bilhões em tratamento oncológico. Estes R$ 4 bilhões se dividem em tratamento ambulatorial (77%), cirurgias (13%) e internações (10%). A pesquisa foi apresentada pela Coordenadora de Pesquisa da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), Nina Melo.

De acordo com Nina, houve um aumento houve um aumento de 402%, de 2018 a 2022 no custo médio dos procedimentos de tratamento do câncer (quimioterapia, radioterapia e imunoterapia). Um procedimento que em 2018 custava R$ 151,33 subiu passou para R$ 758,93 em 2022. O custo médio com internação chegou a R$ 1.082,22 e o gasto com cirurgia alcançou R$ 3.406,07.

Foto: Por Peter Ilicciev/Divulgação Portal Fiocruz – Nina Melo – Coordenadora de Pesquisa da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale)

De acordo com a médica sanitarista, CEO da Abrale e conselheira estratégica do TJCC, Catherine Moura, saber o custo do tratamento oncológico é crucial para que as instituições possam aplicar os recursos públicos com maior eficiência e como melhor direcionar as políticas de prevenção e controle da doença.