Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

De acordo com o Ministério da Saúde, surto de Guillain-Barré não afetará o Brasil

A pasta destacou que a síndrome não é transmissível de pessoa para pessoa, o que diminui o risco de um surto como acontece no país vizinho.
Foto: Reprodução

O surto de Síndrome de Guillain-Barré (SGB) que atinge o Peru não deve afetar o turismo, o comércio e a circulação de pessoas no Brasil, afirmou o Ministério da Saúde em nota divulgada nesta segunda-feira (10).

A pasta destacou que a síndrome não é transmissível de pessoa para pessoa, o que diminui o risco de um surto como acontece no país vizinho, onde quatro pessoas já morreram pela doença em 2023 e outras 31 seguem internadas.

No total, o Peru já confirmou 182 casos da doença. este ano. A situação levou o governo local a declarar emergência sanitária por 90 dias, a partir de um decreto emitido no último sábado (08).

“Com relação ao evento de aumento de casos de SGB no Peru e a declaração de emergência pelo governo Peruano, considera-se baixo o risco em nível nacional, considerado principalmente que a doença não é transmissível de pessoa para pessoa, com base nas informações disponíveis. Desta forma, não há risco significativo de restrição de turismo, comércio e/ou circulação de pessoas”, Ministério da Saúde brasileiro. A nota técnica foi emitida pelo Departamento de Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente.

É importante ressaltar que essa não é a primeira vez que os peruanos sofrem com o crescimento de diagnósticos da SGB. Em 2019, o país andino notificou 900 casos para a doença, com uma queda abrupta nos anos seguintes (em 2021e 2022 não foram registrados mais de 225 casos).

A Síndrome de Guillain-Barré pode ocorrer por infecção bacteriana ou viral aguda, que afeta o sistema nervoso periférico.

Seus sintomas incluem fraqueza e formigamento nos pés e nas pernas que se estendem para a parte superior do corpo em intervalo de duas a quatro semanas. Em casos extremos, a doença pode provocar paralisia.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a síndrome é um “distúrbio em que o sistema imunitário do próprio corpo ataca parte do sistema nervoso periférico”. Esses nervos periféricos controlam os músculos do corpo, por isso os sintomas na mobilidade.

Cerca de 75% dos casos de Síndrome de Guillain-Barré são desencadeados por infecções. A forma mais comum de transmissão ocorre através da bactéria Campylobacter jejuni. Agentes etiológicos como o vírus da Zika, dengue e chikungunya, entre outros, também podem estar associados aos casos de SGB. Por esse motivo, de acordo com a OMS, países tropicais como o Peru e o Brasil têm maior probabilidade de registrar um maior número de casos infectados.