Ouça agora

Ao vivo

Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Destaque
Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Política
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Maricá
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Estado
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
Política
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil
Esportes
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil

Vacina contra esquistossomose estará disponível no SUS em 2025

O imunizante está sendo produzido pela Fiocruz e é o primeiro a ser desenvolvido em todo o mundo
Foto: Divulgação

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) concluirá nos próximos meses o processo de produção da vacina Schistovac contra esquistossomose, que deverá estar disponível para o Sistema Único de Saúde (SUS) no final de 2025. O nome do imunizante é derivado do Schistosoma mansoni, verme causador da esquistossomose na América Latina e na África.

Esta é a primeira vacina do mundo contra essa doença parasitária que é considerada negligenciada e está sendo desenvolvida patenteada pelo IOC/Fiocruz. De acordo com a pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC) da Fiocruz Miriam Tendler, a vacina é um projeto antigo da Fiocruz que já está chegando à fase final. O anúncio aconteceu na segunda-feira (12).

O projeto entrou em fase clínica entre 2010 e 2011. Até agora, foram feitos cinco testes clínicos importantes. As fases 1 e 2 foram realizadas no Brasil em área não endêmica, após processo regulatório na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Depois, os testes clínicos da fase 2 passaram a ser feitos em uma estrutura do Senegal, ligada ao Instituto Pasteur de Lille, na França, e localizada em uma área endêmica daquele país africano. Os testes foram realizados primeiro em adultos e, depois, em crianças. Agora, encerrada a parte de campo, está sendo realizado o processamento de dados.

 

Vacinação 

A esquistossomose é uma doença recorrente em 74 países da África. Miriam Tendler afirmou que, com a produção da vacina contra a doença pela Fiocruz, pela primeira vez, o Brasil entra como fornecedor da tecnologia de ponta.

– E desta vez será fornecedor de tecnologia. Isso inverte o paradigma de a gente estar comprando do Hemisfério Norte ou da Ásia, como foi o caso da covid. A gente vai se capacitar através de Bio-Manguinhos – declarou.

Atualmente, 800 milhões de pessoas vivem em áreas de risco, sujeitas à esquistossomosse em todo o mundo e 300 milhões estão infectados pela doença. A esquistossomose não é de alta mortalidade, mas tem altíssimo impacto, sobretudo nas populações dos países que precisam da sua população jovem para se desenvolver.

A distribuição do imunizante deverá ocorrer no contexto de uma vacina humanitária, que reúne o formato e tecnologia de produtos estipulada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Os produtos direcionados para populações de baixa renda são, preferencialmente, comercializados dentro de um critério muito restrito e não serão doados.

 

Esquistossomose no Brasil 

Embora os dados relativos ao Brasil sejam incompletos, a pesquisadora Miriam Tendler estima que 2% da população brasileira seja afetada pela esquistossomose, com ocorrências maiores na Região Nordeste e no sul de Minas Gerais. Os casos da doença se concentram também em regiões Sul e Sudeste do país, onde não há saneamento básico. Segundo ela é uma doença que está em expansão.

 

Com o início da produção de vacina contra a esquistossomose, a Fiocruz está engajada a produção de outras vacinas antiparasitárias.

– A questão maior é que, hoje, a gente tem tecnologia para fazer vacina. Então, não tem porque não se fazer vacina para todas as doenças parasitárias. A gente está abrindo uma porta e espero que atrás da gente venham as vacinas para as outras doenças parasitárias – afirmou a pesquisadora Miriam Tendler.