Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

Uenf e Inea investigam aparecimento de peixes mortos no rio Paraíba do Sul em São Fidélis (RJ)

Os peixes encontrados mortos não devem ser ingeridos até que alguma análise seja feita.
Foto: Reprodução

O aparecimento de peixes mortos no Rio Paraíba do Sul em São Fidélis (RJ) acendeu um sinal de alerta para a poluição e até mesmo uso de produtos venenosos na água. Nos últimos dias, pescadores da região se depararam com diversos exemplares de peixes, a maioria da espécie dourado mortos, sendo muitos deles de tamanho considerável e aparentemente saudáveis.

Para o ambientalista Aristides Sofiatti os peixes encontrados mortos não devem ser ingeridos até que alguma análise seja feita. Alguns pescadores informaram que ouviram relatos de que estariam usando colosso na pesca de camarões.

Segundo o professor e pesquisador Manuel Vazquez Vidal Júnior, do Laboratório de Zootecnia e Nutrição Animal, a situação é atípica pois existem espécies mais sensíveis na calha do rio Paraíba, mas, até o momento, apenas os dourados foram encaminhados para análise. “A suspeita é que possa ser uma doença específica da espécie ou que, como se trata de um grande carnívoro, eles possam estar comendo peixes com baixa intoxicação, que acabam se acumulando neles”, informou.

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou, em nota, que irá realizar análise da água no local para apurar a causa da morte dos peixes. Os resultados dos exames realizados na Uenf têm previsão de conclusão na próxima quarta-feira (21).