Ouça agora

Ao vivo

Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Mundo
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Brasil
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Destaque
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Baixada Fluminense
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Estado
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina

Termina julgamento que torna inelegível o ex-presidente Jair Bolsonaro, que declara que “não está morto”

Último a votar, o ministro Alexandre de Moraes, TSE fechou o placar em 5 a 2 para condenar Bolsonaro.
Foto: Reprodução/TV Globo

Termina o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que formou maioria pela condenação e consequente inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta sexta-feira (30). O placar ficou em 5 a 2, em desfavor de Bolsonaro.

A quarta sessão do julgamento foi retomada com o voto da ministra Cármen Lúcia, pela punição ao ex-presidente. Já no início da sessão, a ministra adiantou que acompanharia o voto do relator, Benedito Gonçalves.

Em seguida, votou o ministro Nunes Marques, contra a condenação. Último a votar, o presidente da Corte, ministro Alexandre de Moraes, também se manifestou pela condenação.

Após decisão, Jair Bolsonaro deu uma entrevista coletiva em Belo Horizonte, onde disse “não está morto” politicamente. O ex-presidente afirmou que “acredita ser sido a primeira condenação por abuso de poder político” e se tratar de um “crime sem corrupção”.

Alegou, ainda, que o TSE “trabalhou contra as suas propostas” e que ele, durante o mandato, respeitou a Constituição, “muitas vezes a contra gosto”.

“Meu recurso é no Supremo Tribunal Federal, né?”, ironizou o ex-presidente ao ser questionado sobre entrar ou não com recurso. E declarou que vai conversar com advogados para tomar a decisão.

Braga Netto
Todos os ministros que já votaram absolveram o general Braga Netto, candidato à vice-presidente na chapa de Bolsonaro nas eleições de 2022. Todos os ministros entenderam que ele não teve relação com a reunião. O nome dele foi incluído no processo pelo PDT.

Confira como foi a votação

O julgamento foi decido em quatro sessões. O julgamento que começou na quinta-feira (22), com as falas da acusação e da defesa. Na segunda sessão, realizada na última terça (27), o relator e ministro Benedito Gonçalves, foi o primeiro a votar e considerou Bolsonaro inelegível por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação.  A terceira sessão foi esta quinta (29), dois ministros concordaram com o relator, Floriano Marques e André Tavares e votaram pela condenação do ex-presidente. Já o ministro Raul Araújo votou pela absolvição.