Ouça agora

Ao vivo

Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Costa do Sol
Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Norte Fluminense
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Angra dos Reis
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Maricá
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Estado
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho

STJ anula julgamento do TRF-2 que havia condenado Marco Antônio Cabral por ter visitado o pai na prisão

A defesa demonstrou que os desembargadores da Corte não consideraram as mudanças na Lei de Improbidade ao condenar o acusado

O ministro do STJ Herman Benjamin anulou o julgamento do TRF-2 que havia confirmado a condenação do ex-deputado Marco Antônio Cabral por ter visitado seu pai, o ex-governador Sérgio Cabral, na prisão por 23 vezes. À época, Marco Antônio era deputado federal.

“A decisão recorrida condena o Recorrente em posição contrária a todos os requisitos legais mencionados e aplica sanção ilegal, dado que não mais prevista da Lei de Improbidade”, alegaram os advogados do réu.

Em seu despacho, o magistrado reconhece que mesmo com a mudança na legislação, o tribunal condenou Marco Antônio Cabral pelas condutas do art. 11 e lhe aplicou sanção de perda de função pública não mais prevista na lei.

Em fevereiro último, os desembargadores da 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) mantiveram a sentença da primeira instância, em que Marco Antônio Cabral foi condenado à:

*perda da função pública;

*proibição de contratar com a Administração Pública por três anos;

* pagamento de multa de R$ 337 mil.

O ministro mandou o TRF- 2 realizar novo julgamento, considerando as mudanças verificadas na legislação de improbidade.