Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

STF suspende votação sobre royalties de petróleo para tentar acordo entre os estados

Caso a proposta vingue, o estado do Rio e todos os municípios produtores de petróleo perdem bilhões e ficam à beira da falência.
Foto: Reprodução

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), desistiu de pôr em votação nos próximos dias a Ação Direta de Inconstitucionalidade que pode mudar a distribuição dos royalties de petróleo. Ela determinou que a (Adin) seja enviada para o Centro de Soluções Alternativas de Litígios do Supremo, para antes tentar uma solução na base do diálogo.

A decisão não garante nada, mas certamente fez os políticos fluminenses respirarem aliviados, já que a data do julgamento estava se aproximando. Caso a proposta vingue, o estado do Rio e todos os municípios produtores de petróleo perdem bilhões e ficam à beira da falência.

“Ante o exposto, considerando o alto significado do tema e a imprescindibilidade do diálogo e da cooperação institucionais para a solução dos conflitos federativos, determino o encaminhamento do presente feito e das ações diretas de inconstitucionalidade ao CESAL para a tentativa de solução dialogada da controvérsia”, diz a ministra.

O presidente da Organização dos Municípios Produtores de Petróleo (Ompetro) e prefeito de Campos, Wladimir Garotinho, festejou a decisão. “Desde quando eu era deputado defendo que um acordo seria a melhor solução. Até porque, na época da propositura da lei, só o Rio e São Paulo eram produtores. Agora, quase todos os estados produzem petróleo. A ideia do acordo só não vingou porque alguns estados do Nordeste não aceitaram. Foi o caso das Alagoas, do senador Renan Calheiros (MDB), que com um tuíte levantou o assunto novamente na semana retrasada. Mas agora a ministra Cármen Lúcia teve acesso aos números, que revelam a grave situação dos estados produtores, caso a lei fosse implantada”.

Wladimir chegou a oficiar, como presidente da Ompetro, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), avisando que eles deveriam estar preparados para a quebradeira dos estados — porque eles têm vários empréstimos cuja garantia são os royalties, e o risco de moratória seria muito grande.

Não só Wladimir, mas também todos os deputados do Rio se mobilizaram frente à proximidade da votação A Assembleia criou uma frente parlamentar em defesa dos royalties do petróleo, com integrantes da direita à esquerda, comandado pelo próprio presidente da Casa, Rodrigo Bacellar. A bancada federal também entrou de cabeça ao lado do governador Cláudio Castro para levar a discussão a Brasília.

Em 2022, o governo do estado recebeu R$ 30,7 bilhões de royalties. O valor cairia para R$ 19,4 bilhões, 37% menos, caso a lei já estivesse valendo. O problema é ainda maior para os municípios que produzem petróleo: Macaé, Campos, Niterói e muitos outros podem perder até 60% do valor repassado dos royalties.