Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Senado aprova medida provisória que retoma o programa Mais Médicos

A decisão foi divulgada na terça-feira (20) e tem como objetivo expandir o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS).
Foto: Divulgação

O Senado aprovou nesta terça-feira (20) a medida provisória que retoma o programa Mais Médicos, que tem como objetivo expandir o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS). A proposta aprovada prevê a dispensa da revalidação de diploma para médicos estrangeiros nos primeiros 4 anos no programa e incentivos para permanência dos inscritos.

A medida provisória precisava ser aprovada pelo Congresso Nacional para se tornar lei em definitivo, e agora seguirá para sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O programa foi criado em 2013 no governo Dilma Rousseff, com o objetivo de levar médicos a municípios de interior de difícil acesso, além das periferias de grandes cidades. Durante a gestão Bolsonaro, o nome foi trocado para Médicos pelo Brasil. Agora, o programa volta a ser chamado de Mais Médicos.

Entre os incentivos previstos pela MP, estão o adicional de 20% do total da bolsa aos médicos que permanecerem 4 anos em áreas de “alta vulnerabilidade”;
e adicional de 10% do total da bolsa aos médicos alocados nas demais áreas e que permanecerem nas localidades por 48 meses. E também traz mudanças sobre o Revalida, o exame necessário para validar o diploma no Brasil e poder exercer a profissão no país. A decisão dispensa do Revalida nos primeiros 4 anos de participação no programa, e a exigência do exame quando o médico tiver interesse de prorrogar por mais 4 anos a participação no programa.