Ouça agora

Ao vivo

Flexibilização da faixa seletiva da Av. Brasil começa nesta terça-feira (23/04)
Destaque
Flexibilização da faixa seletiva da Av. Brasil começa nesta terça-feira (23/04)
Prefeitura de Duque de Caxias anuncia canalização do canal dois irmãos
Baixada Fluminense
Prefeitura de Duque de Caxias anuncia canalização do canal dois irmãos
Prefeitura vai levar artesanato de Angra para o Rio Artes
Angra dos Reis
Prefeitura vai levar artesanato de Angra para o Rio Artes
Prefeitura de Nova Iguaçu retoma obras do Viaduto de Comendador Soares
Nova Iguaçu
Prefeitura de Nova Iguaçu retoma obras do Viaduto de Comendador Soares
TRE-RJ amplia horário de atendimento até a data do fechamento do cadastro eleitoral
Estado
TRE-RJ amplia horário de atendimento até a data do fechamento do cadastro eleitoral
Capela São Jorge, em Campos, tem programação religiosa nesta terça
Norte Fluminense
Capela São Jorge, em Campos, tem programação religiosa nesta terça
Lula anuncia ampliação do programa Pé-de-Meia
Política
Lula anuncia ampliação do programa Pé-de-Meia

Seis carvoarias ilegais são destruídas em operação do Inea em Araruama

Operação foi realizada no distrito de São Vicente de Paula, depois de uma denúncia recebida pelo órgão ambiental estadual.
Foto: Reprodução

Seis carvoarias ilegais foram destruídas durante uma operação realizada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), através da Superintendência Lagos São João, em Araruama, na Região dos Lagos do Rio. A ação foi nesta quinta-feira (15) depois de uma denúncia recebida pelo órgão ambiental estadual.

De acordo com o Inea, após levantamento de informações, os técnicos estiveram na Estrada do Sobradinho, no distrito de São Vicente de Paula, onde flagraram atividade de produção de carvão em carvoarias, sem a devida licença ambiental.

Seis fornos foram destruídos e uma pessoa que estava no local no momento da fiscalização foi notificada a regularizar a atividade junto ao órgão ambiental estadual.

O presidente do Inea, Philipe Campello, reforçou que as empresas que trabalham com carvoaria necessitam de licença ambientais, e só podem consumir madeiras com procedência conhecida.