Ouça agora

Ao vivo

Macaé ganha novas redes de esgoto na Aroeira
Norte Fluminense
Macaé ganha novas redes de esgoto na Aroeira
Itaipuaçu recebe evento Passaporte em Ação
Maricá
Itaipuaçu recebe evento Passaporte em Ação
Petrópolis tem 82 hectares de área queimada no primeiro semestre do ano
Destaque
Petrópolis tem 82 hectares de área queimada no primeiro semestre do ano
Eleições Municipais têm mulheres como maioria do eleitorado, revela TSE
Brasil
Eleições Municipais têm mulheres como maioria do eleitorado, revela TSE
Eduardo Paes lança candidatura à reeleição, mas ainda sem o nome do vice. Pedro Paulo é o preferido
Política
Eduardo Paes lança candidatura à reeleição, mas ainda sem o nome do vice. Pedro Paulo é o preferido
Prouni terá mais de 240 mil bolsas no segundo semestre
Brasil
Prouni terá mais de 240 mil bolsas no segundo semestre
Projeto de Judô transforma vida de 280 crianças em Japeri
Baixada Fluminense
Projeto de Judô transforma vida de 280 crianças em Japeri

Homem encontrado morto após “Garota Vip” não foi vítima de homicídio

Segundo laudo, ele sofreu asfixia com rosto apoiado ao solo, após cair
Imagem: Reprodução TV Globo

O laudo adicional referente ao falecimento do indivíduo encontrado sem vida dentro de um condomínio adjacente ao Parque Olímpico, após o evento Garota Vip, revela que ele sofreu lesões e asfixia por apoiar o rosto no solo após uma queda.

De acordo com a conclusão da DH, não houve homicídio, e a morte ocorreu após o homem pular um muro e cair. Registros visuais demonstram que o barbeiro Gilsonei Vasconcelos Xavier caminhou pela região durante aproximadamente 12 minutos antes de pular o muro.

“O perito conclui que a vítima sofreu uma queda ao solo com impacto na palma direita, que estava dobrada, resultando em luxação do punho direito. Essa circunstância foi mantida devido à rigidez cadavérica. O falecimento aconteceu enquanto ele estava deitado de bruços, com o rosto apoiado no solo, indicando sinais de asfixia mecânica devido à obstrução das vias aéreas, incluindo boca e narinas, ocasionando sufocamento direto e subsequente broncoaspiração”, trecho do laudo detalha. O perito também solicitou um exame toxicológico adicional para determinar se substâncias depressoras do sistema nervoso central tiveram um papel na morte por sufocamento.

Inicialmente, a família de Gilsonei Xavier alegou que ele havia sido alvo de espancamento, o que explicaria as várias lesões em seu corpo. Entretanto, durante depoimento na delegacia, um amigo que estava com Gilsonei afirmou que ele foi expulso do evento após uma discussão, mas não sofreu agressões físicas.

A polícia examinou as filmagens das câmeras de vigilância, concluindo que Gilsonei deixou o parque sozinho, caminhando normalmente, subiu em um muro e caiu no pátio do condomínio.

Uma análise pericial constatou que as lesões e o óbito foram decorrentes da queda. Desde o laudo inicial, não havia evidências de violência que justificassem uma morte por agressão.