Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

ONU aponta que 110 milhões de pessoas foram deslocadas à força no mundo

A entidade ainda aponta que cerca de metade das pessoas deslocadas à força são da Síria, da Ucrânia e do Afeganistão.
Foto: Reprodução

Um relatório da Agência de Refugiados das Nações Unidas (Acnur) divulgado nesta quarta-feira (14) informou que o número de pessoas deslocadas à força no mundo atingiu a marca recorde de 110 milhões. A guerra na Ucrânia e os conflitos no Sudão contribuíram para a marca histórica.

No ano passado, a Organização das Nações Unidas (ONU) calculava que 108,4 milhões de pessoas haviam sido deslocadas à força dos locais onde viviam. O número engloba pessoas que fugiram de casa por conta de conflitos armados, por exemplo.

A ONU ainda aponta que cerca de metade das pessoas deslocadas à força são da Síria, da Ucrânia e do Afeganistão. Antes de 2011, quando começou o conflito na Síria, o número de refugiados e deslocados no mundo se mantinha praticamente estável, em 40 milhões de pessoas.

Filippo Grandi, alto comissário da ONU, disse que existe um “pacote usual de causas” para esse aumento. Além dos conflitos armados, o comissário citou a perseguição de pessoas, discriminação, violência e mudanças climáticas.

“Estamos em um mundo muito polarizado, onde as tensões internacionais se estendem até as questões humanitárias”, afirmou.