Ouça agora

Ao vivo

Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Costa do Sol
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Angra dos Reis
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Destaque
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana
Norte Fluminense
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana

Quase 40% das crianças de até 6 anos do Complexo da Maré já presenciaram algum tipo de violência, aponta pesquisa

Os dados mostram que 94% dos cuidadores principais dos menores com idade até 6 anos são mulheres, geralmente mães ou avós.
Imagem: Reprodução

Uma pesquisa inovadora realizada no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio de Janeiro, lançou luz sobre a situação da primeira infância na região. Os resultados revelam que 38,2% das crianças já foram expostas a algum tipo de violência, e mais da metade das famílias enfrentou dificuldades para garantir comida na mesa durante a pandemia.

Conduzida pela ONG Redes da Maré, a pesquisa intitulada “Primeira Infância na Maré – Acessos a direitos e práticas de cuidado” concentra-se em crianças com até seis anos de idade. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (27).

A pesquisa envolveu entrevistas com os responsáveis pelas crianças e também com profissionais que trabalham no apoio à primeira infância, como professores, assistentes sociais e profissionais de saúde.

Gisele Martins, coordenadora da Redes da Maré, comentou sobre os resultados: “Com base neste estudo, podemos reforçar a percepção anterior, enfatizando a necessidade de avanços em várias políticas públicas relacionadas aos direitos das crianças, como a ampliação de vagas na educação, com muitas famílias reivindicando vagas em creches, preocupações com a saúde, acesso a espaços públicos para brincadeiras e a questão da violência.”

Os dados revelam que 94% dos principais cuidadores das crianças com até seis anos são mulheres, geralmente mães ou avós, e 74,4% se identificam como pretas ou pardas. Além disso, 68% têm idades entre 20 e 39 anos. Em 24% dos lares, a figura paterna não está presente na rotina da criança.

Quanto à renda, 32,8% têm renda mensal familiar de até um salário mínimo, e 57,4% das famílias não recebem nenhum tipo de auxílio do governo.

Devido à pesquisa ter sido realizada durante a pandemia da Covid-19, foi observado que 54,1% das famílias entrevistadas enfrentaram dificuldades relacionadas à alimentação durante esse período. Em 11,8% dos casos, algum membro da família deixou de comer ou pulou refeições para garantir que as crianças tivessem o suficiente para comer. Surpreendentemente, 38,2% dos entrevistados afirmaram que as crianças sob seus cuidados testemunharam algum tipo de violência, apesar de sua tenra idade.

A pesquisa também ressaltou a falta de acesso a instalações públicas de lazer, cultura e esporte, com 59,8% dos entrevistados indicando que as crianças de suas famílias não tinham acesso a essas atividades.

Além disso, a pesquisa destacou a falta de acesso a equipamentos públicos de saúde, com 64,6% das famílias relatando dificuldades no acesso direto à assistência médica e a equipamentos públicos nas comunidades.