Ouça agora

Ao vivo

Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Mundo
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Brasil
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Destaque
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Baixada Fluminense
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Estado
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades

Primeiro remédio injetável contra HIV pode ficar disponível ainda este ano

O medicamento já possui o aval para registro já concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Foto: Divulgação

O primeiro remédio injetável para prevenção do HIV pode estar disponível nas farmácias neste ano, pois já possui o aval para registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O novo medicamento se intitula por Apretude, a injeção Cabotegravir funciona como uma medida para evitar a pré-exposição ao vírus (PrEP). Trata-se de um mecanismo de ação que evita a reprodução do vírus e sua capacidade de infectar novas células. O medicamento está disponível no Brasil apenas por meio de comprimidos diários, distribuídos gratuitamente no SUS desde 2017, de forma gradual, por meio de um medicamento de uso oral e diário. A nova injeção funciona inicialmente em duas aplicações mensais. Depois, administrado a cada dois meses.

O medicamento Cabotegravir não é considerado uma vacina para o HIV, pois não ativa o sistema imunológico na produção de anticorpos para combater o HIV, e também não impede a transmissão da doença. Neste caso, a injeção irá funcionar como um PrEP (Profilaxia Pré-Exposição).

O produto injetável passará por uma avaliação de preços, e para que seja disponibilizado no SUS, é necessária ainda a avaliação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), vinculada ao Ministério da Saúde.

Segundo o Ministério da Saúde, no atual cenário da epidemia de HIV/Aids no Brasil, os jovens são considerados um dos públicos prioritários em relação à métodos de prevenção ao HIV.