Ouça agora

Ao vivo

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Política
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Esportes
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Estado
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Destaque
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Brasil
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa
Rio de Janeiro
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa

Presidente Lula diz que com enchentes no RS, Brasil pode ter que importar arroz e feijão

A declaração foi feita durante o programa "Bom dia, Presidente"
Foto: Divulgação

Nesta terça-feira (07), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o país pode precisar importar arroz e feijão para equilibrar a produção e conter o aumento dos preços. A declaração foi feita durante o programa “Bom dia, Presidente” enquanto o presidente comentava sobre os efeitos dos temporais registrados no Rio Grande do Sul no agronegócio brasileiro,

“Fiz uma reunião com o ministro [do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar] Paulo Teixeira e com o ministro [da Agricultura, Pecuária e Abastecimento] Carlos Fávaro sobre a questão do preço do arroz e do feijão, porque estavam caros. Eu disse que não era possível a gente continuar com o preço caro. Alegaram que a área plantada estava diminuindo e que havia um problema do atraso da colheita no Rio Grande do Sul.”

“Agora, com a chuva, acho que nós atrasamos de vez a colheita do Rio Grande do Sul. Se for o caso, para equilibrar a produção, vamos ter que importar arroz, vamos ter que importar feijão. Para que a gente coloque na mesa do povo brasileiro um preço compatível com aquilo que ele ganha”, completou.

Lula e os ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Agricultura já vinham tratando o tema por causa da alta nos preços dos alimentos que compõem a cesta básica. O custo destes produtos seguem subindo acima da média desde outubro do ano passado. Em março, o governo Lula expôs que esperava uma queda no preços dos alimentos até abril. No mesmo mês, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, afirmou que o preço da saca de arroz já reduziu de R$ 120 a R$ 100.

O Rio Grande do Sul é o principal produtor de arroz no Brasil, uma vez que responde por 70% da produção nacional do grão. Considerado o terceiro cereal mais cultivado no planeta, o alimento deve sofrer uma pressão nos preços. As chuvas que atingem o estado podem quebrar a safra de arroz entre 10% e 11% e provocar um prejuízo de R$ 68 milhões, estima o Datagro.