Ouça agora

Ao vivo

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Política
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Esportes
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Estado
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Destaque
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Brasil
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa
Rio de Janeiro
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa

Prefeitura de Macaé está recuperando a restinga da Praia dos Cavaleiros

A restinga é a mais famosa da cidade e toda a sua extensão está recebendo ações de preservação ambiental
Foto: Divulgação/Prefeitura de Macaé

A Prefeitura de Macaé está recuperando a restinga da Praia dos Cavaleiros, o projeto de recuperação está sendo desenvolvido pela Secretaria Municipal de Ambiente e Sustentabilidade. Espécies exóticas e estranhas ao ambiente foram colocadas por ação humana ou outros meios, podendo causar impactos negativos e plantas nativas estão sendo colocadas.

A Secretaria de Ambiente e Sustentabilidade foi responsável pelo plantio de aproximadamente 871 mudas, em 2022. Entre elas: pirixi (Blutaparon portulacoides), salsa da praia (Ipomea pes-caprae), alternanthera (Alternanthera maritima), guriri (Allagoptera arenaria) e feijão da praia (Carnavalia rósea). As mudas são introduzidas de acordo com a necessidade, quando uma área estiver muito exposta, com pouca ou nenhuma vegetação.

Foram instaladas placas informativas ‘Conhecendo nossa restinga’, que exibe espécies nativas ao público. Esse é o lema do Projeto de Restauração da Restinga da Praia dos Cavaleiros, a mais famosa da cidade. Além disso, QR Codes impressos nas placas direcionam o público para a página da secretaria no Portal da Prefeitura Macaé, onde constam informações sobre a área preservada. Já foram contempladas com placas as espécies: coruja buraqueira, a ipomea, o guriri e, recentemente, a maria-farinha (Ocypode quadrata). Ela também é conhecida como guaruçá, vaza-maré e caranguejo-fantasma. Esta espécie habita praias arenosas e pode ser encontrada em todo litoral brasileiro. Sua coloração branco-amarelada se assemelha com a areia da praia, o que facilita a sua camuflagem no ambiente.

A Restinga da Praia dos Cavaleiros é uma Área de Preservação Permanente (Lei Federal 12.651/2012). Por isso, a legislação determina ações com o objetivo de garantir a conservação e a recuperação destes ecossistemas, como a manutenção da vegetação nativa. A Coordenadora de Arborização e Paisagismo da secretaria e engenheira ambiental, Fernanda Norbert, explicou a necessidade do projeto.

– A retirada de espécies exóticas da restinga é de extrema importância para a preservação deste ecossistema costeiro. Elas podem competir com as espécies nativas por recursos como água, nutrientes e luz solar. Esta competição pode levar à redução da biodiversidade local, afetando a flora e, consequentemente, a fauna que depende destas plantas. Além disso, algumas espécies exóticas têm um alto potencial de invasão, ou seja, conseguem se proliferar rapidamente e ocupar grandes áreas, suprimindo a vegetação nativa. Isso provoca uma perda significativa da diversidade biológica e dos serviços ecossistêmicos prestados pela restinga como: a proteção contra a erosão costeira, a formação de dunas, a manutenção da qualidade da água e a provisão de habitat para espécies nativas – informou a coordenadora.