Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

Possível solução para casos de Endometriose é identificado por cientistas japoneses

Endometriose é uma doença crônica descoberta recentemente que acomete de 10% a 15% das brasileiras em idade fértil.
Foto de curativos feito em paciente que realizou a cirurgia de Endometriose por videolaparoscopia. Foto: Fernanda Rohen

Cientistas do Japão identificaram um tipo de tratamento que pode ser uma alternativa a métodos tradicionais de combate à endometriose, como as terapias hormonais e a cirurgia. Os pesquisadores da Universidade de Nagoya afirmam que um determinado grupo de bactérias pode estar vinculado à doença e, com isso, o tratamento com antibióticos pode ser eficaz.

A endometriose ocorre quando o tecido especializado que reveste a parte interna do útero, o endométrio, começa a aparecer em outras regiões do corpo, principalmente na região pélvica, como bexiga, rins e ovários. Esse contato, junto a alterações nas taxas de estrogênio, pode levar a inflamações e sangramentos. A doença inflamatória crônica compromete de 10% a 15% das brasileiras em idade fértil, ou seja, entre 12 e 48 anos. Por ter sido descoberta recentemente, as causas ainda são misteriosas.

De acordo com o portal “SIC Notícias”, os pesquisadores fizeram um estudo com 155 mulheres no Japão e encontraram bactérias da classe Fusobacterium no útero de 64% das que tinham endometriose e 7% das que não tinham. O estudo também envolveu experiências com ratos de laboratório, que foram infectados com as bactérias. O experimento mostrou que o uso de antibióticos poderia reduzir o tamanho e a frequências das lesões relacionadas à doença.

Foto: Reprodução

Ainda de acordo com o portal, os responsáveis pelo estudo ressaltam que ainda precisam fazer outras experiências para confirmar a descoberta, que foi publicada na revista científica Science Translational Medicine.

Mulheres com endometriose costumam sentir muita cólica no período menstrual, já que o endométrio não é totalmente expelido durante a menstruação por ter se deslocado para outras regiões do corpo. Também podem experimentar sangramentos intestinais, urinários e, durante a menstruação, fadiga e cansaço, além de dor intensa em relações sexuais.

Por se tratar de uma doença crônica, não há cura. Entretanto, a recomendação de especialistas é procurar um ginecologista especializado em endometriose se apresentar fortes cólicas. O médico deve fazer exame clínico minucioso e exames de imagem para fazer o diagnóstico. Atualmente, o tratamento mais convencional envolve o uso contínuo da pílula anticoncepcional ou do DIU medicado para fazer o bloqueio hormonal. Para casos graves, especialistas recomendam cirurgias para tratar as lesões ou mesmo retirar o útero e os ovários.