Ouça agora

Ao vivo

Cartórios podem renegociar dívidas enviadas a protesto
Destaque
Cartórios podem renegociar dívidas enviadas a protesto
Brasil encara Costa Rica na estreia da Copa América esta noite nos EUA
Esportes
Brasil encara Costa Rica na estreia da Copa América esta noite nos EUA
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Estado
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Cultura
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Rioprevidência alerta para suspensão do benefício de pensionista que não fez o recenseamento obrigatório em novembro
Estado
Rioprevidência alerta para suspensão do benefício de pensionista que não fez o recenseamento obrigatório em novembro
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Brasil
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho

Pesquisa aponta que 92% dos celulares estão contaminados por fungos e bactérias

Aparelho está entre os objetos com maior transmissão de doenças junto com maçanetas de portas, xícaras, moedas, botões de fogão e gavetas da geladeira.
Foto: Divulgação

Um recente estudo conduzido pela Universidade de Londres revelou que 92% dos celulares no Reino Unido estão contaminados por microrganismos, sendo que um em cada seis aparelhos apresenta contaminações associadas a uma falta de higiene pessoal.

Nos comunicamos, ouvimos músicas, conferimos nosso e-mail, tiramos fotos, tudo por ele. Ele está presente na mesa de reunião, na pia do banheiro enquanto tomamos banho, na mesa do almoço, café da manhã e, na maior parte do tempo, no nosso bolso.

Utilizamos esses dispositivos para nos comunicar, ouvir música, verificar e-mails, tirar fotos, entre outras atividades. Eles estão presentes em nossas mesas de reunião, na pia do banheiro enquanto tomamos banho, na mesa durante as refeições e, na maior parte do tempo, no nosso bolso.

Juntamente com maçanetas de portas, xícaras, moedas, botões de fogão e gavetas de geladeira, os aparelhos celulares estão entre os objetos com alto nível de contaminação e são responsáveis pela transmissão de diversos tipos de doenças.

— O celular é um veículo de transporte para os microrganismos, já que nossas mãos estão em contato constante com o ambiente e o aparelho. A manipulação em locais refeições ou até mesmo nos banheiros deveriam ser controladas, sempre realizando a higiene das mãos e do aparelho nesses ambientes, por exemplo antes de uma refeição ou utilização do sanitário — diz Gabriela Castro, microbiologista da Richet Medicina & Diagnóstico.

Os especialistas também recomendam evitar emprestar seu dispositivo a outras pessoas e realizar uma higienização adequada da tela, da capa que envolve o celular e da parte traseira do aparelho.

Como limpar o aparelho?

As infecções envolvendo o celular acontece por meio das superfícies que deixamos o celular, como a pia da cozinha, do banheiro, ou a mesa do almoço, o bolso da calça e depois que o tocamos, levamos o dedo para a boca e ela entra em contato com a saliva. Poeira e sujeira acumulam nas superfícies dos equipamentos com facilidade. Além disso, a gordura e o ácido das mãos impregnam nos celulares, juntando germes e bactérias.

Além disso, poeira e sujeira tendem a se acumular nas superfícies dos aparelhos, e a gordura e os ácidos presentes em nossas mãos podem se acumular nos celulares, proporcionando um ambiente propício para o crescimento de bactérias.

A higienização pode ser feita com pano seco, para remoção mecânica das bactérias e depois um pano molhado com álcool isopropílico, que é um produto que retira quase 100% das bactérias e também é um produto utilizado para limpar placa de celular. Não se deve usar álcool, acetona, alvejantes ou produtos à base de sabão.

Embora o álcool tenha propriedades desengordurantes e seja eficaz na remoção de gorduras e sujeiras dos dispositivos, ele também pode ser agressivo, pois pode penetrar em plásticos e telas dos aparelhos, ressecando-os e causando manchas, rachaduras e até mesmo quebras. Outros produtos de limpeza comumente utilizados possuem aditivos alcalinos com pH elevado, que podem reagir negativamente com as superfícies sensíveis dos dispositivos, resultando em manchas e danos adicionais.

— A higienização é simples e pode ser feita com álcool a 70% e um pano. O álcool isopropílico também pode ser utilizado, mas pode não ser de fácil acesso para todos — diz Castro.

É altamente recomendável evitar a aplicação direta de líquidos nas superfícies, pois, embora sejam seguros, eles podem penetrar nos componentes eletrônicos dos equipamentos e causar danos irreversíveis. Portanto, é aconselhável usar lenços e toalhas que geralmente acompanham os produtos para realizar a limpeza.

Os especialistas recomendam que a limpeza de tablets e celulares seja feita diariamente, em razão do acúmulo da gordura corporal, além de ácidos trazidos pelas mãos e outras sujeiras transmitidas pela boca e face.

Quanto aos computadores, teclados, notebooks e impressoras, utilizar ar comprimido é uma excelente escolha para a limpeza. Essa abordagem ajudará a remover qualquer acúmulo de poeira e sujeira, e o ar comprimido pode ser direcionado em várias direções, facilitando o processo de higienização. Recomenda-se realizar essa limpeza pelo menos uma vez por semana.