Ouça agora

Ao vivo

Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Estado
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Cultura
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Destaque
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Angra realiza ação para recolhimento de cavalos abandonados
Angra dos Reis
Angra realiza ação para recolhimento de cavalos abandonados
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Brasil
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Prefeitura do Rio lança linha do BRT que conecta os terminais Campo Grande e Deodoro
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio lança linha do BRT que conecta os terminais Campo Grande e Deodoro
Nova Iguaçu abre inscrições para a 6ª Conferência Municipal das Cidades
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu abre inscrições para a 6ª Conferência Municipal das Cidades

Pedido de vista no TRE adia decisão sobre fraude à cota de gênero em Campos

Um pedido de vista adiou a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em relação à fraude da cota de gênero na eleição de 2020 em Campos. A sessão aconteceu nesta terça-feira (04). O desembargador Allan Titonelli, relator do caso, pediu a cassação dos vereadores Bruno Vianna (hoje, PSD) e Nildo Cardoso (atual União). No entanto, a desembargadora Daniela Bandeira de Freitas afirmou não ter ficado comprovada à fraude no PSL. O placar até o momento é de 3 a 2 pela absolvição de todos os vereadores.

No entanto, o desembargador Henrique Ribeiro, que chegou a dizer que acompanha o relator pela cassação dos eleitos pelo PSL, informou que tem dúvidas em relação ao processo relacionado ao DEM. E por isso pediu vistas.

Além de Bruno e Nildo, os processos envolvem os eleitos pelo DEM — Marcione da Farmácia e Rogério Matoso; PSC — Maicon Cruz e Pastor Marcos Elias; Avante — Abdu Neme; e PL — Bruno Pezão. Na sessão desta terça, foi retirado e sigilo de todas as Ações de Impugnação de Mandatos Eletivos (Aimes), que correm junto com as Ações de Investigação judicial Eleitoral (Aijes) do PSL e do DEM.

O que esperar do processo?

A situação complexa continua sendo a dos eleitos no PSL. O relator, Allan Titonelli, pediu a cassação de Bruno e Nildo, além da inelegibilidade de oito anos. E no seu voto também pediu a absolvição dos demais partidos.

No caso do PSL, além do relator, o desembargador Henrique Ribeiro votou pela condenação. Por outro lado, seguiram a divergência aberta pela desembargadora Daniela Freitas, apenas em relação ao PSL, os desembargadores Fernando Marques Filho e Bruno Boddart.

Em resumo, os demais partidos já têm os quatro votos necessários na Corte pela absolvição, independentemente do voto em relação ao DEM de Henrique Ribeiro. Já para o PSL, restam votar o desembargador Luiz Paulo da Silva Araújo Filho e o presidente da Corte, João Maia. A absolvição de Nildo e Bruno depende do voto de um deles.

Não há prazo para o processo voltar à pauta do TRE.