Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano

Papa Francisco não teve a intenção de usar linguagem homofóbica e pede desculpas a qualquer pessoa ofendida, afirmou o Vaticano
Foto: Reprodução

Amplamente citado como tendo usado uma palavra altamente depreciativa para descrever a comunidade LGBT, o papa Francisco não teve a intenção de usar linguagem homofóbica e pede desculpas a qualquer pessoa ofendida, afirmou o Vaticano nesta terça-feira.

É extremamente raro que um papa emita um pedido público de desculpas.

“O papa nunca teve a intenção de ofender ou se expressar em termos homofóbicos, e pede desculpas àqueles que se sentiram ofendidos pelo uso de um termo relatado por outros”, disse o porta-voz do Vaticano, Matteo Bruni, em comunicado enviado por email.

A mídia italiana noticiou na segunda-feira que Francisco usou o termo italiano “frociaggine”, que pode ser traduzido como “bicha” ou “viado”, ao dizer aos bispos italianos que continuava a se opor à admissão de gays no sacerdócio.

O site italiano de fofocas políticas Dagospia foi o primeiro a informar sobre o suposto incidente, que teria ocorrido em 20 de maio, quando o pontífice se reuniu com bispos italianos a portas fechadas.

O jornal Corriere della Sera citou bispos não identificados que estavam na sala, sugerindo que o papa, como argentino, poderia não ter percebido que o termo italiano que ele usou era ofensivo.

O porta-voz do Vaticano reiterou que o papa continua comprometido com uma Igreja acolhedora para todos, onde “ninguém é inútil, ninguém é supérfluo, há espaço para todos”.

Os comentários relatados causaram choque e consternação, mesmo entre seus apoiadores.

Francisco, que tem 87 anos, tem sido creditado por fazer aberturas substanciais para a comunidade LGBT durante seus 11 anos de papado.