Ouça agora

Ao vivo

Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Costa do Sol
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Angra dos Reis
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Destaque
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana
Norte Fluminense
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana

OMS diz que medidas de controle evitaram 300 milhões de novos fumantes

O Brasil é considerado pela entidade como um dos principais líderes na implementação dessas medidas e encabeça a lista de países que servem de exemplo
Foto: Reprodução

A Organização Mundial da Saúde (OMS), publicou nesta segunda-feira (31), um relatório destaca que o número de fumantes caiu nos últimos 15 anos. E graças a uma série de diretrizes implementadas, o mundo tem menos pessoas que usando tabaco.

No topo da lista de nações que implementaram as medidas da OMS estão Brasil e Turquia, que foram elogiados pela agência da ONU.

O Brasil é considerado pela entidade como um dos principais líderes na implementação dessas medidas e encabeça a lista de países que servem de exemplo.

Com cerca de 71% da população mundial protegida com pelo menos uma recomendação para restringir o acesso ao tabaco, a OMS estima que as medidas evitaram 300 milhões de novos fumantes.

Segundo a OMS, o número de pessoas protegidas com iniciativas de prevenção aumentou cinco vezes. O levantamento aponta que 40% dos países têm locais públicos internos totalmente sem cigarro, evitando o fumo passivo.

O relatório avalia ainda o progresso no controle do tabagismo e mostra que mais duas nações, Ilhas Maurício e Países Baixos, também implementaram as recomendações.

O estudo aponta que oito países estão a apenas uma política de se juntar aos líderes no controle do tabaco: Etiópia, Irã, Irlanda, Jordânia, Madagascar, México, Nova Zelândia e Espanha.

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, os dados mostram que, lentamente, mais pessoas estão sendo protegidas contra os dados do tabaco e afirmou que a agência está pronta para apoiar mais países a implementar as recomendações.

Fumo passivo
Cerca de 1,3 milhão de pessoas morrem anualmente devido ao fumo passivo. No relatório, a agência destaca que todas essas mortes são totalmente evitáveis.

As pessoas expostas ao tabaco correm o risco de perder a vida para doenças cardíacas, respiratórias derrames, diabetes tipo 2 e câncer.

A OMS defende que os espaços públicos livres de cigarro são apenas uma política no conjunto de medidas de controle para ajudar os países a implementar as recomendações e conter a epidemia do tabagismo.

Para a agência, ambientes livres de fumaça ajudam as pessoas a respirar ar puro, protegem do fumo passivo, motivam os fumantes a parar, combatem o hábito e ajudam a impedir que jovens comecem a fumar ou usar cigarros eletrônicos.

Recomendações da OMS
Mesmo com o progresso, a OMS destaca que 44 países não implementaram nenhuma das diretrizes e 53 ainda não possuem proibições completas de fumo em unidades de saúde.

Enquanto isso, apenas cerca de metade dos países têm locais de trabalho e restaurantes privados sem fumo.

O diretor de Promoção da Saúde da OMS, Ruediger Krech, faz um apelo para que as políticas sejam implementadas e lembra que fumar mata anualmente 8,7 milhões de pessoas em todo o mundo.

As diretrizes da OMS sugerem que os países monitorem o uso do tabaco e as políticas de prevenção, protejam as pessoas da fumaça e ofereçam ajuda para quem queira parar de fumar.

A agência recomenda alertas aos usuários para os perigos do tabaco além da aplicação das regras de proibições de publicidade, promoção e patrocínio do produto.

Uma outra proposta da agência é subir os impostos sobre o tabaco.