Ouça agora

Ao vivo

Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Destaque
Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Política
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Maricá
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Estado
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
Política
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil
Esportes
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil

No Dia Mundial do Meio Ambiente, Prefeitura do Rio lança programa “Guardiões dos Mangues”

Projeto é uma forma de proteger e recuperar os ecossistemas dos mangues do município
Prefeito Eduardo Paes e a secretária de Ambiente e Clima, Tainá de Paula. Foto: Reprodução

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria de Ambiente e Clima, lançou, nesta segunda-feira (5/6), Dia Mundial do Meio Ambiente, o programa Guardiões dos Mangues. O projeto tem por objetivo recuperar e cuidar da manutenção dos mangues da cidade com a participação dos moradores dos locais beneficiados pelo programa. A cerimônia de lançamento, realizada no mangue da Lagoa Rodrigo de Freitas, em frente ao Parque da Catacumba, contou com as presenças do prefeito Eduardo Paes e da secretária de Ambiente e Clima, Tainá de Paula.

Para o prefeito, o meio ambiente é um ativo econômico da cidade. “As pessoas decidem morar e investir no Rio ou decidem sair e não investir em razão das qualidades ambientais. Se um lugar tem de cuidar da natureza, esse lugar é o Rio de Janeiro. O que me dá esperança e me inspira aqui é que esse programa é gerador de empregos, levando recursos para as comunidades e envolvendo a população na discussão ambiental. Temos um impacto social muito grande”, afirmou Eduardo Paes.

A secretária Tainá de Paula ressaltou que a biodiversidade dos mangues faz com que essas regiões tenham um ecossistema produtivo e benéfico para o equilíbrio do meio ambiente. E destacou o papel que eles têm na regulação das catástrofes climáticas. 

“A cidade do Rio carecia de uma política específica para os mangues. Temos dezenas espalhados pela cidade, alguns em favelas e periferias. Estamos em um ano importante de discussão sobre a emergência climática, colocar nossos guardiões dedicados na proteção dos manguezais é uma mudança de paradigma e realidade ambiental da cidade. Mangues saudáveis podem auxiliar na regulação de catástrofes climáticas como enchentes, secas, clima, além de recuperar a degradação dos solos”, disse a secretária. 

No total, foram mapeadas oito áreas de mangues no município do Rio: enseadas da Baía de Guanabara; margens das lagoas da Barra da Tijuca; Praia da Brisa, em Pedra de Guaratiba; ao redor da Lagoa Rodrigo de Freitas; reserva Biológica de Guaratiba; a Restinga da Marambaia; além da foz dos Canais de São Fernando e Guandu, em Santa Cruz. 

Segundo o biólogo Mário Moscatelli, antigamente, manguezais era tido como algo a ser exterminado. E que felizmente, com o tempo, percebeu-se que eles tem muitas utilidades, como sequestro de carbono e limpeza da água. “A Lagoa Rodrigo de Freitas, que tinha mortandade de peixes, hoje tem sua realidade mudada. Temos até caça submarina atualmente na Lagoa. Tem peixe e a água está transparente. Podemos, claramente, entender nesse Dia do Meio Ambiente que é possível o resgate dos importantes passivos econômicos-ambientais da cidade do Rio. Isso é possível com a articulação do poder público com a iniciativa privada e com a sociedade”, afirma o biólogo.

Serão dez frentes de trabalho, com quatro pessoas em cada uma delas. Os encarregados receberão uma bolsa auxílio no valor de R$ 1.250 mensais, enquanto os demais guardiões receberão R$ 1.000. Todos serão responsáveis pela gestão de cada uma dessas frentes de trabalho, protegendo e reportando situações aos órgãos responsáveis pela manutenção de seus respectivos mangues.