Ouça agora

Ao vivo

Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Mundo
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Brasil
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Destaque
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Baixada Fluminense
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Estado
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades

No Brasil, mais de 80% das pessoas têm algum tipo de preconceito contra mulheres, declara a ONU

A pesquisa foi feita em 80 países e abrange mais de 85% da população mundial.
Foto: Reprodução Internet

Uma pesquisa realizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), da Organização das Nações Unidas (ONU), foi divulgada nesta segunda-feira (12) e mostra que, no Brasil, cerca de 84,5% das pessoas têm pelo menos um tipo de preconceito contra as mulheres.

A pesquisa foi feita em 80 países e abrange mais de 85% da população mundial. De acordo com o Índice de Normas Sociais de Gênero (INSG), nove em cada 10 pessoas de todos os gêneros têm preconceito contra as mulheres no mundo. O levantamento apontou ainda que metade das pessoas em 80 países sondados acredita que os homens são melhores líderes políticos. Já 40% dos entrevistados acreditam que os homens são melhores executivos de negócios.

A pesquisa apresenta que entre homens e mulheres, “normas sociais de gênero preconceituosas prevalecem em todo o mundo: quase 90% das pessoas afirmam ter pelo menos um preconceito”. Para a realização deste relatório foram analisadas quatro dimensões sobre preconceito de gênero, em que meninas e mulheres enfrentam desvantagens e discriminação: Integridade física, Educacional, Política e Econômica.

 

Preconceito contra mulheres no Brasil

Os piores indicadores no país são em relação à integridade física. São avaliados a violência íntima e o direito à decisão de querer ou não ter filhos. Cerca de 75,56% dos homens têm esse preconceito no Brasil, e 75,79% das mulheres também têm.

No âmbito político, 39,91% das pessoas revelaram preconceito de gênero e acreditam que mulheres não são tão boas políticas como os homens ao desempenharem a função. O levantamento aponta que as pessoas também acreditam que as mulheres possuem menos direitos do que os homens. Além disso, para 31% dos brasileiros, os homens teriam mais direito ao trabalho do que as mulheres ou homens fazem melhores negócios do que as mulheres. Outro dado que choca é que 25% da população considera justificável a agressão de um homem contra a esposa e 28% considera que a universidade é mais importante para os homens. O levantamento aponta que apenas 15,5% dos brasileiros não têm preconceito contra as mulheres.

O relatório divulgado pela ONU aponta que o objetivo estabelecido pelas Nações Unidas para que a igualdade de gênero seja alcançada até 2030, ainda está muito distante de se tornar uma realidade no mundo. Segundo especialistas, no atual ritmo, ainda serão necessários 186 anos para atingir a igualdade de gênero.

Estão presentes no relatório, as contribuições econômicas necessárias para que as mulheres sejam melhor reconhecidas na sociedade, incluindo o trabalho não remunerado. Também demandam leis e medidas que garantam a participação política feminina, bem como mais ações para combater estereótipos.