Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

Mudar é difícil, mas o conhecido também não é confortável

Na tentativa de evitar a dor, nossa mente tenta lidar com o trauma de várias maneiras diferentes. Tentando ser boazinha para não brigarem com você; não desagradando aos outros na tentativa de ser aceita; se isolando no seu quarto brincando sozinho(a) e fantasiando histórias fugindo da realidade; fazendo tudo perfeito para ser validada e vista; estar na rua brincando ou na casa de algum amiguinho o tempo todo – vontade de estar fora de casa; pode ter criado muros dentro de você mesmo(a) para não se conectar com as pessoas por não ser seguro, ser o melhor da turma, etc.

De alguma maneira, essas estratégias te ajudaram a sobreviver a sua infância. Na vida adulta acabam sendo destrutivas de uma forma geral (com você mesmo(o) nas suas relações, na vida profissional).

É importante voltar no trauma e conhecê-lo de perto, aprender com ele, desconstruir, desmistificar, responsabilizar e reavaliar cada ponto necessário, sentir o que precisa ser finalmente sentido para ressignificar.

Eu sei que você, provavelmente, vai dizer que “é difícil” – é o que eu mais escuto em sessão – mas se sabotar e criticar constantemente, se envergonhar por ser você mesmo(a), se esconder sentindo um vazio, ir para a rua atrás de vícios e pessoas para tapar esse buraco e fugir da realidade, esperar que alguém te salve, ser o(a) salvador(a) das outras pessoas, sustentar uma máscara de ser alguém que a sociedade – amigos, familiares – espera de você, não se envolver emocionalmente com as pessoas, ser viciado(a) em trabalho, ETC. Isso tudo também é difícil.

Vamos começar esse espaço decidindo qual é o DIFÍCIL que você vai escolher trabalhar? O conhecido que te mantém em uma face totalmente desconhecida de si mesmo(a) e repetindo respostas ao trauma ou o desconhecido que vai te libertar para ser VOCÊ mesmo(a)?

Desejo que você finalmente escolha tirar a máscara, sair do personagem e viver esse novo momento com essa fonte inspiradora de energia autêntica que existe aí guardadinha dentro de você!