Ouça agora

Ao vivo

Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Estado
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Cultura
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Destaque
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Angra realiza ação para recolhimento de cavalos abandonados
Angra dos Reis
Angra realiza ação para recolhimento de cavalos abandonados
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Brasil
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Prefeitura do Rio lança linha do BRT que conecta os terminais Campo Grande e Deodoro
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio lança linha do BRT que conecta os terminais Campo Grande e Deodoro
Nova Iguaçu abre inscrições para a 6ª Conferência Municipal das Cidades
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu abre inscrições para a 6ª Conferência Municipal das Cidades

MPRJ interdita clínica de idosos e reabilitação em Nova Iguaçu

Edmilson Messias Ribeiro Júnior, dono do estabelecimento, foi conduzido à 52ª DP (Nova Iguaçu) e pode responder por cárcere privado.
Foto: Reprodução

O Ministério Público do Rio (MPRJ) interditou uma clínica que funcionava como reabilitação e repouso para idosos em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no fim da manhã desta segunda-feira (10). Segundo as informações iniciais, pelo menos 100 pessoas viviam na clínica em situações precárias e impossibilitadas de sair. Além disso, todos conviviam no mesmo ambiente.

Edmilson Messias Ribeiro Júnior, dono do estabelecimento, presta depoimento na 52ª DP (Nova Iguaçu), onde o caso foi apresentado pelo MPRJ. Ele pode responder por cárcere privado.

A instituição vinha há anos se esquivando da Justiça, mesmo com uma ordem de fechamento em aberto, e mudava de nome a fim de continuar aberta.

O advogado de Edimilson, Leonardo Mazzutti, afirmou que não havia proibição ou interdição do local, que os pacientes eram divididos por sexo, faixa etária e enfermidade. Disse também que “será realizada perícia de local para verificar se a denúncia de que crimes foram praticados no local tem fundamento” e que “quando a defesa tiver acesso total a investigação, será possível tecer maiores comentários”.