Ouça agora

Ao vivo

Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Destaque
Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Política
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Maricá
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Estado
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
Política
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil
Esportes
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil

Morte do pedreiro Amarildo completa 10 anos com protesto nas areias de Copacabana

Ajudante de pedreiro desapareceu em 2013 após ser detido por policiais militares da UPP da Rocinha
Imagem: Reprodução

As areias da Praia de Copacabana amanheceram, nesta quinta-feira, com uma manifestação da ONG Rio de Paz, pelos 10 anos de desaparecimento do pedreiro Amarildo. Dez manequins, cada um simbolizando cada ano da década do desaparecimento, foram colocados na praia. Voluntários e parentes sentaram sob um tecido transparente simbolizando Amarildo e outros milhares de desaparecidos no Estado do Rio de Janeiro. A ONG regista cerca de cinco mil desaparecimentos em solo Fluminense, sendo 10% desse número, assassinados, cujos corpos não foram encontrados.

Para relembrar o caso emblemático, o ajudante de pedreiro desapareceu na noite do dia 14 de julho de 2013, na comunidade da Rocinha, na Zona Sul do Rio. PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) entraram em um bar, na parte alta da favela, e abordaram Amarildo Dias de Souza, com 43 anos na época. Por ondem do major Edson Raimundo dos Santos, então comandante da UPP da Rocinha, Amarildo foi colocado dentro de uma viatura e levado para a sede da unidade. Dez anos depois, Amarildo nunca mais foi visto. Oito PMs da unidade foram foram condenados em duas instâncias a penas de até 13 anos pela de tortura que resultou na morte do ajudante de pedreiro.

A morte de Amarildo virou símbolo da luta contra a brutalidade e a impunidade dos policiais cariocas. Após ficarem presos por seis anos, os oito condenados estão em liberdade, após cumprirem a maior parte das penas. Seis agentes, que atuavam como praças, foram expulsos da PM. Já o major Edson e o tenente Luiz Felipe de Medeiros, o então subcomandante da UPP da Rocinha, continuam na corporação.

Anderson Gomes, filho mais velho de Amarildo lamenta não conseguir enterrar o pai. E reforça só acreditar na Justiça, quando a família encontrar os restos mortais do ajudante de pedreiro.