Ouça agora

Ao vivo

Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Costa do Sol
Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Norte Fluminense
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Angra dos Reis
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Maricá
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Estado
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho

Morre Hélio Turco, presidente de honra e maior compositor de sambas da Mangueira

Ele foi autor de sambas que homenagearam Chiquinha Gonzaga, Tom Jobim, Braguinha e Sinhá Olímpia.

O compositor, presidente de honra e ex-tesoureiro da Estação Primeira de Mangueira, Hélio Turco, faleceu hoje aos 87 anos. A informação foi confirmada pela agremiação carioca.

Ele é o maior campeão das disputas de samba-enredo da verde e rosa, sendo autor de 16 obras que embalaram os desfiles da segunda maior campeã do carnaval carioca. Sua caneta assinou memoráveis sambas da Mangueira, como “Cem anos de liberdade, realidade ou ilusão?” (1988) e o supercampeonato de “Yes, Nós Temos Braguinha” (1984) — ano em que a escola conquistou dois títulos.

Hélio Turco nasceu no bairro do Grajaú, na zona norte da capital fluminense, e se mudou com seis meses para o Morro da Mangueira. Mas foi somente em 1952 que ele viu um desfile da sua escola do coração, ocupando-se da função de segurar as cordas que delimitavam o espaço de desfiles e separavam os foliões do público que assistia ao espetáculo.

Em 1958, ele entrou para a ala dos compositores na Mangueira e, já no ano seguinte, ganhou seu primeiro samba-enredo: “O Brasil através dos tempos”. O primeiro título embalado por uma obra composta por ele veio em 1960, com “Carnaval de todos os tempos”.

Com o samba “Deu a louca no barroco”, em homenagem a Sinhá Olímpia, Hélio Turco venceu o Estandarte de Ouro de melhor samba-enredo de 1990. Em 2022, o compositor foi novamente homenageado nos 50 anos do prêmio pelos serviços prestados ao samba.

O compositor foi empossado como presidente de honra da agremiação em 2021, ocupando o posto que era de Nelson Sargento — compositor ilustre que faleceu naquele ano. Ao lado do imperiano Aluísio Machado e do portelense David Corrêa (1937-2020), Turco foi exaltado no livro “Três poetas do samba-enredo”, de Rachel Valença, Leonardo Bruno e Gustavo Gasparani.