Ouça agora

Ao vivo

Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Destaque
Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Política
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Maricá
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Estado
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
Política
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil
Esportes
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil

Mauro Cid revela a amigos que teve problemas com Michelle Bolsonaro

O ajudante de ordens de Jair Bolsonaro disse a amigos que sempre teve problemas de relacionamento com a mulher do ex-presidente
Foto: Reprodução/TV Câmara

Apesar de ter optado por ficar em silêncio na CPI do 8 de janeiro na última terça-feira (11), o tenente-coronel Mauro Cesar Cid fez várias revelações a respeito do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e sua esposa, Michelle Bolsonaro.

“Dona Michelle era muito difícil e não gostava de mim”, afirmou. A principal razão da diferença entre os dois tinha como pano de fundo exatamente as questões relacionadas a dinheiro, segundo o militar.

Cid conta que tinha ordens explícitas de Bolsonaro para pagar contas da própria Michelle, mas que o então presidente detestava que ele pagasse também faturas de familiares da primeira-dama. Mesmo assim, ela mandava essas contas com ordens para pagar. E, diz ele, quando isso acontecia não havia muito o que fazer, sob pena de arrumar mais problemas com Michelle.

“Não ia me meter em briga de casal. Se ela pedia, eu depositava”, afirmou o tenente-coronel em uma das conversas.

Contas da família

Cid conta que foram feitos pagamentos do plano de saúde do irmão, mensalidades da faculdade da irmã, depósitos em contas de outros parentes de Michelle que vivem na periferia de Brasília e, ainda, inúmeras entregas de recursos em espécie nas mãos de integrantes do staff que servia a Michelle. Saiu dinheiro até para ajudar no funeral da avó da primeira-dama.

“Ela (Michelle) falava pouco comigo. Quem falava comigo eram os assessores. Ela mandava dizer: ‘preciso disso’. E os assessores falavam comigo”, afirmou.

O ex-ajudante de ordens afirma, no entanto, que não misturava, no caixa paralelo que administrava, valores da conta pessoal do então presidente com recursos sacados a partir dos cartões corporativos da Presidência da República, suspeita investigada já há algum tempo pela Polícia Federal.