Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

Mauro Cid depõe à CPMI do 8 de janeiro nesta terça-feira

Depoimento de Mauro Cid deve começar às 9h de terça-feira (11) e é um dos mais aguardados da CPMI que investiga os atos antidemocráticos de 8 de janeiro

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos antidemocráticos de 8/1 ouvirá o ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Mauro Cid, em sessão prevista para começar às 9h de terça-feira (11).

Inicialmente marcado para acontecer na última terça (4), o depoimento acabou adiado em função da tramitação da pauta econômica na Câmara dos Deputados. A expectativa é que o militar responda às perguntas dos parlamentares sobre mensagens trocadas com integrantes das Forças Armadas sobre um suposto ‘golpe de Estado’ para evitar que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assumisse o cargo.

Cid recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não prestar depoimento à CPMI. Contudo, a ministra Cármen Lúcia determinou a presença obrigatória dele, mas garantiu ao militar o direito de permanecer em silêncio para não se comprometer. Ele estará respaldado pelo próprio advogado e poderá consultá-lo sempre que julgar necessário durante a oitiva.

Especula-se que Cid está disposto a responder às perguntas dos parlamentares, segundo indicou o deputado federal Duarte Jr. (PSB-MA), que integra a CPMI, em gravação publicada nas redes sociais no domingo (9). Conforme declarou, a esposa de Cid, Gabriela Cid, poderá ser convocada à CPMI se o marido não cooperar com as investigações.

A Polícia Federal (PF) prendeu Mauro Cid em fevereiro durante operação que investigava a falsificação de cartões de vacinação e a inserção de dados fraudulentos sobre a vacina da Covid-19 no sistema do Ministério da Saúde. O tenente-coronel teria falsificado os cartões dele próprio, da esposa e do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Esta não é a primeira polêmica que entrelaça os nomes de Cid e Bolsonaro. Confira a seguir o histórico de investigações em torno do militar:

Notícia falsa 
A Polícia Federal (PF) indiciou Mauro Cid por divulgação de notícia falsa referente à vacinação contra a Covid-19. Inquérito indicou que ele entregou a Jair Bolsonaro (PL), durante live, um papel que correlacionava o imunizante contra o coronavírus ao vírus HIV. A informação mentirosa foi à época difundida pelo então presidente.

Oito passos para um golpe
Agentes identificaram uma série de trocas de mensagens no celular de Cid com militares especulando a possibilidade de orquestração de um golpe de Estado que impediria a posse do presidente eleito Lula (PT). Nas conversas havia um documento com oito passos para as Forças Armadas assumirem a presidência.

Joias da Arábia Saudita
Cid participou diretamente dos esforços para retirada do conjunto de joias sauditas enviadas pelo país ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e que acabara retido pela Receita Federal no Aeroporto de Guarulhos. O ajudante de ordens teria tentando manipular a data de um documento para reaver as peças.

Reunião com embaixadores
O tenente-coronel também é suspeito de ter escrito o discurso feito por Jair Bolsonaro durante reunião com embaixadores estrangeiros no Palácio da Alvorada, quando o então presidente atacou o sistema eleitoral brasileiro e pôs em xeque a confiabilidade das urnas eletrônicas. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tornou Bolsonaro inelegível por oito anos em função dos ataques cometidos durante o encontro com os diplomatas.