Ouça agora

Ao vivo

Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Estado
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Cultura
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Destaque
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Angra realiza ação para recolhimento de cavalos abandonados
Angra dos Reis
Angra realiza ação para recolhimento de cavalos abandonados
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Brasil
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Prefeitura do Rio lança linha do BRT que conecta os terminais Campo Grande e Deodoro
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio lança linha do BRT que conecta os terminais Campo Grande e Deodoro
Nova Iguaçu abre inscrições para a 6ª Conferência Municipal das Cidades
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu abre inscrições para a 6ª Conferência Municipal das Cidades

Mais peixes do tipo dourado aparecem mortos às margens do rio Paraíba do Sul 

Houve registros de peixes mortos nas cidades de Itaocara, Campos dos Goytacazes e São Fidélis. O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) está investigado os casos, também ocorridos no rio Paraíba do Sul.
Foto: Reprodução

Peixes do tipo dourado (Salminus brasiliensis) apareceram mortos às margens do Paraíba do Sul, em três cidades: Campos dos Goytacazes e São Fidélis, no Norte Fluminense; e Itaocara, no Noroeste do estado.

Na última semana, peixes da mesma espécie já havia sido encontrados mortos em São Fidélis. Inicialmente estava sendo investigado a possibilidade  poluição e até mesmo uso de produtos venenosos na água.

O Inea que já está realizando análises da água, e descartou morte causada por envenenamento já que há registro de morte de apenas uma espécie. Disse ainda que tem feito um monitoramento da qualidade da água do rio Paraíba do Sul onde aconteceram as mortes desses peixes.

Quem também está ajudando é a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), que já coletou alguns peixes mortos para análise em laboratório.

No caso de Itaocara, a Prefeitura informou que o caso ocorreu em três pontos distintos.

Por meio da Secretária de Meio Ambiente (Semai), o município disse ainda que o caso está sendo apurado por órgãos ambientais e instituições não governamentais, como a Colônia de Pescadores Z-21, de São Fidélis (ligada à pesca artesanal) e o Projeto Piabanha (voltado para a conservação ambiental).

A Prefeitura de Itaocara afirma que recebeu três registros fotográficos de exemplares de dourado (Salminus brasiliensis) mortos, sendo dois na última quarta-feira (21) e um na quinta-feira (22).

“As aparições foram em pontos distintos do Rio Paraíba do Sul (Batatal, Campo de Sementes e Portela). Esses foram os primeiros registros, em Itaocara, que chegaram ao conhecimento da Semai. Desde então, estamos acompanhando o ocorrido”, disse o município.

Orientação para os moradores

A Secretaria de Meio Ambiente de Itaocara orienta para que os moradores não façam o consumo de peixes mortos. Explica que exemplares deverão ser coletados e entregues, o mais rápido possível, no Projeto Piabanha (Campo de Sementes) e na Semai.

“Nessas instituições os peixes terão as suas vísceras retiradas e armazenadas em formol a 10%. Em seguida, as amostras (vísceras) serão encaminhadas para os órgãos competentes para a determinação do diagnóstico técnico”, disse.

Caso novos dourados sejam avistados mortos, a Secretaria de Meio Ambiente também deixa as seguintes instruções:

Informações a localidade e horário;
Se possível, fotografar ou fazer vídeo da situação;
além de retirar o animal da água, também se possível.
A Secretaria Municipal de Meio Ambiente fica na Praça Toledo Pizza, s/n, no Centro. O telefone de contato é o (22) 3861-4263.

Contato também pode ser feito pelo WhatsApp (22) 98120-8730 ou procurar a Secretaria Municipal de Meio Ambiente na Praça Toledo Piza (por cima da rodoviária), Centro.

Para denúncias anônimas de crimes ambientais, o canal é o Linha Verde, no número 0300 253 1177.