Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

Mães de crianças com necessidades especiais denunciam Unimed por paralisação de tratamentos

As mães afirmam que todas elas pagam pelo convênio, mas o plano não cobre os tratamentos necessários
Imagem: Reprodução

Mães de crianças com necessidades especiais estão denunciando a Unimed Rio devido à paralisação dos tratamentos na Clínica de Reabilitação Multidisciplinar Recriando, localizada em Campo Grande, Zona Oeste do Rio. A suspensão dos tratamentos ocorre devido à interrupção dos pagamentos realizados pelo convênio para a clínica.

As mães afirmam que todas elas pagam pelo convênio, mas o plano não cobre os tratamentos necessários para seus filhos com necessidades especiais. No entanto, elas conseguiram uma liminar na Justiça que obriga o plano a custear todo o tratamento, e essa decisão está em vigor desde 2020. No entanto, em abril deste ano, a Unimed Rio começou a descumprir a determinação.

Simone Alves Pereira, mãe de Kayke, de 13 anos, que é portador de paralisia cerebral, revelou que tem tentado várias vezes entrar em contato com o convênio por telefone, mas é orientada a procurar seu advogado e não obtém respostas sobre a ausência dos pagamentos do plano. A clínica também tentou entrar em contato com a Unimed diversas vezes, mas não recebeu resposta, apenas promessas de pagamento que nunca foram cumpridas.

A falta de tratamento está afetando seriamente as crianças com necessidades especiais. Para Kayke, a paralisação do tratamento causa atrofia dos membros e estresse psicológico, já que ele depende totalmente de uma cadeira de rodas e precisa de cuidados específicos diariamente.

Nathany Isabele, mãe de Gustavo Henrique, de 5 anos, portador de paralisia cerebral, microcefalia e epilepsia, também passou por dificuldades para conseguir que o convênio custeasse os tratamentos e equipamentos de fisioterapia motora para o filho. Mesmo com a comprovação da necessidade dos tratamentos em uma perícia médica, a Unimed continua não custeando os serviços, levando a uma interrupção dos atendimentos a partir do próximo mês.

Essa situação é extremamente preocupante, pois as crianças com deficiências dependem desses tratamentos para melhorar sua qualidade de vida, e qualquer atraso ou paralisação pode resultar em sérias regressões em seu desenvolvimento. As mães estão lutando para garantir que seus filhos recebam o tratamento necessário e esperam uma solução rápida para essa questão com a Unimed Rio.