Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Lula sobre bolsonaristas: ‘Os malucos estão na rua, ofendendo pessoas’

Presidente reforçou críticas a suspeitos de agredir Alexandre de Moraes e afirmou que os bolsonaristas ainda não foram derrotados

Em discurso durante a cerimônia de posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que “os malucos ainda estão na rua”, ao se referir a apoiadores do ex-presidente Bolsonaro (PL).

“Vocês têm de estar preparados, porque nós derrotamos Bolsonaro, mas não derrotamos os bolsonaristas ainda. Os malucos estão na rua, ofendendo, xingando pessoas”, declarou Lula. “Vamos dizer para eles que queremos que este país volte a ser civilizado. As pessoas não têm de se gostar. As pessoas têm apenas de se respeitar”, disse ele seu discurso hoje no sindicato que é o berço de sua trajetória política. Neste domingo a entidade completa 64 anos.

O evento contou com a participação de ministros, entre eles Marcio França (Portos e Aeroportos) e Silvio Almeida (Direitos Humanos e Cidadania), além de Janja, a primeira-dama, que se levantou para aplaudir quando o presidente disse que “lugar de mulher é onde ela quiser”.

Lula discursou por quase 25 minutos e, em falas para a base, recebeu aplausos efusivos por três vezes. O presidente mencionou, ainda, o episódio da suposta agressão sofrida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no aeroporto de Roma, na Itália.

Com público formado majoritariamente por operários, Lula voltou a citar que “uma ‘picanhinha’ é tudo o que a gente quer”.

Também prometeu aumento do salário mínimo acima da inflação e de acordo com o produto interno bruto (PIB) até o fim do mandato.

Antes do evento, Lula esteve no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para exames de rotina. De acordo com a assessoria da Presidência, ele também passou por um procedimento de infiltração para reduzir dores nos quadris, decorrentes de uma artrose.