Ouça agora

Ao vivo

Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Costa do Sol
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Angra dos Reis
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Destaque
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana
Norte Fluminense
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana

Lula questiona morte de menina em comunidade da Ilha do Governador: “Que bala perdida é essa?”

Lula falou sobre o incidente durante o programa semanal "Conversa com o Presidente", transmitido pelo Canal Gov.
Imagem: Reprodução

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou profunda indignação diante da trágica morte de Eloah Passos, uma menina de cinco anos. No sábado (12), ela foi atingida por um disparo fatal enquanto brincava em seu quarto dentro de casa, na comunidade conhecida como Cova da Onça, situada no Morro do Dendê, no Rio de Janeiro. Com um tom de incredulidade, Lula falou sobre o incidente durante o programa semanal “Conversa com o Presidente”, transmitido pelo Canal Gov. Ele destacou a gravidade das balas perdidas, especialmente quando inocentes, como Eloah, são suas vítimas, e apontou a necessidade de uma transformação da cultura de violência.

O presidente destacou: “Que tipo de bala perdida é essa? Alguém mirou naquela direção, essa bala não se perdeu. Essa bala foi disparada com a intenção de atingir alguém, e infelizmente acertou uma criança de apenas cinco anos. Até onde iremos com esse padrão de comportamento, com essa violência? E muitas vezes, tristemente, é a própria polícia que dispara esses tiros”.

Ele também observou a complexidade do problema e a importância de reformar as forças de segurança: “Quando levantamos essa questão, as pessoas às vezes pensam que estamos contra a polícia. Não estamos contra a polícia, desejamos uma polícia bem treinada, bem instruída e altamente capacitada. No entanto, não podemos tolerar atirar indiscriminadamente, sem ter certeza de onde se atira. A bala perdida reflete em parte isso: eu atirei em uma direção e acabei matando outra pessoa. Isso é inadmissível. Nosso país merece mais do que isso.”

Lula discutiu a necessidade de uma cultura de paz, tanto no Brasil quanto no mundo, enquanto considerava as perspectivas de crescimento econômico e melhoria das condições de vida da população.

Na semana anterior, em um evento no Rio de Janeiro, o presidente já havia criticado as mortes de inocentes pelas mãos da polícia, enfatizando que os menos privilegiados não devem ser confundidos com criminosos. Ele ressaltou que é fundamental tratar as comunidades periféricas com respeito para evitar tragédias como a morte do jovem Thiago Menezes, de 13 anos, durante uma operação policial na Cidade de Deus, zona oeste do Rio, em 7 de agosto. Lula destacou a responsabilidade e a preparação psicológica dos policiais como fatores cruciais para evitar tais incidentes lamentáveis.