Ouça agora

Ao vivo

Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Costa do Sol
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Angra dos Reis
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Destaque
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana
Norte Fluminense
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana

Lei sancionada por Lula, autoriza ozonioterapia; O procedimento foi alvo de polêmicas durante a pandemia

Procedimento só poderá ser realizado por profissionais inscritos em conselhos de fiscalização e com equipamentos regularizados pela Anvisa. Academia Nacional de Medicina havia pedido veto
Imagem: Reprodução

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou o projeto de lei que oficializa a prática da terapia com ozônio em todo o país. A promulgação do texto foi registrada na edição do Diário Oficial da União publicada no dia 7 de agosto.

A “ozonioterapia” gerou controvérsias durante a pandemia de Covid-19, uma vez que foi mencionada pelo prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, apesar de não ter comprovação científica para tratar o coronavírus. Essa técnica envolve a aplicação de uma mistura de oxigênio e ozônio diretamente na pele ou no sangue do paciente, com o intuito de combater infecções ou melhorar a oxigenação do tecido.

A nova lei estabelece que a ozonioterapia poderá ser adotada como um procedimento complementar, seguindo os seguintes critérios:

– A terapia deve ser conduzida por um profissional de saúde com formação superior e registrado no conselho profissional correspondente.
– O tratamento deve ser aplicado utilizando um equipamento que produza ozônio medicinal e que esteja regularizado e autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Além disso, a legislação determina que os pacientes sejam devidamente informados sobre a natureza complementar do tratamento.