Ouça agora

Ao vivo

Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Norte Fluminense
Dia Mundial sem Tabaco é lembrado em Macaé
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Rio de Janeiro
Maratona do Rio 2024 começa nesta quinta-feira com recorde de inscritos
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Maricá
Prefeitura de Maricá divulga programação de Corpus Christi
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Angra dos Reis
Paraty e Angra dos Reis recebem lançamento de livro sobre a Costa Verde
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Destaque
Prazo para adesão ao Desenrola Fies é prorrogado até 31 de agosto
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Baixada Fluminense
Estudantes de Caxias ganham nova escola municipal bilíngue
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi
Costa do Sol
Ocupação hoteleira na Região dos Lagos deve ultrapassar os 75% durante o feriadão de Corpus Christi

Julho Amarelo: SUS avança com tratamento das doenças virais

Vacina, teste rápido e remédios são oferecidos gratuitamente na rede municipal
Imagem: Divulgação

Nesta sexta-feira (28) é o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. Durante todo o mês de julho, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de (SMS) levou a vacina da hepatite B para diversos pontos da cidade e já aplicou mais de mil doses. Com os avanços do SUS, o número de notificações de casos de hepatites virais no município reduziu nos últimos anos, só os casos de hepatite C caíram 85% em nove anos, e os casos de hepatite A e B caíram 75% e 70%, respectivamente.

A hepatite viral é uma inflamação no fígado causada por um vírus. No Brasil, as mais comuns são as do tipo A, B e C e cada uma delas tem suas particularidades. Hepatologista do Centro Especializado em Infectologia Valda do Borel (CEI), que fica na Praça da Bandeira, na Policlínica Hélio Pellegrino, Mauren Machado fala sobre a doença: “Nem sempre a hepatite apresenta sintomas, mas quando aparecem, se manifestam na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.”

Os avanços do tratamento e diagnóstico no SUS foram essenciais para a redução de casos notificados. O diagnóstico das hepatites é feito por teste rápido ou por teste sorológico (exame de sangue), disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde. Além disso, o acesso foi descentralizado para a medicação, principalmente contra a hepatite C, e agora está disponível em várias unidades distribuídas em toda a cidade do Rio de Janeiro.

“A pessoa que está com sintomas, ou suspeita de algo, pode ir até uma unidade de saúde e fazer o teste rápido. Em trinta minutos ela terá o resultado. Toda a medicação pode ser retirada pela rede municipal. O serviço do SUS contribuiu muito para os índices de diagnóstico e tratamento das hepatites, principalmente com a oferta de medicamentos”, ressalta a hepatologista.

A redução de casos notificados é observada na série histórica da doença. Em 2013, foram 1.040 notificações só de hepatite C, enquanto neste ano, até o momento, foram 149. De hepatite B, enquanto há 10 anos eram 374 casos, neste ano são 79. Já os de hepatite A, foram 480 casos em 2013 e 36 em 2023.

Durante todo o mês de julho a SMS fez ações pela cidade disponibilizando a vacina da hepatite B para atualização dos esquemas vacinais de quem precisasse. Foram mais de mil doses aplicadas em postos de vacinação espalhadas pelo Centro e nas zonas Norte, Sul e Oeste. No dia 20 de julho, a Gerência de Hepatites Virais da SMS realizou um evento na Fiocruz onde, além de disponibilizar a vacina da hepatite B, houve rodas de conversa, oferta de teste rápido contra as hepatites e distribuição de material informativo.

“Este evento foi muito importante para todos. Precisamos sensibilizar a população em geral quanto à importância da imunização para a hepatite B, assim como o aumento da cobertura vacinal, que foi viabilizado pela disponibilidade de um número maior de pontos de vacinação”, disse a gerente de hepatites virais da SMS, Girleide de Oliveira.

Tatiana Siqueira de Carvalho pegou o vírus da hepatite B quando era recém-nascida, por transfusão sanguínea. Aos 47 anos, ela conta que descobriu a doença somente aos 18 anos: “Eu nasci na década de 70. Naquela época, pouco se sabia sobre doação de sangue. Eu fiquei muito doente logo que nasci e nenhum medicamento melhorou o meu quadro. Por último, os médicos tentaram a transfusão. Quando completei maioridade quis doar sangue e fui até o Hemorio. Foi quando descobri que tinha hepatite B.”

Farmacêutica na Coordenação de Doenças Transmissíveis da SMS, Tatiana é ativa nas campanhas de divulgação de prevenção e tratamento das hepatites virais da Prefeitura, compartilhando sua experiência. E sem se preocupar com tabus, ela sempre falou abertamente com amigos e namorados sobre hepatite B. Hoje é mãe de um menino de 12 anos.

“Sempre quis ter filhos. Eu tenho carga viral negativa e meu marido é vacinado contra a hepatite B. Nós dois sempre conversamos sobre tudo, não podemos ficar com medo ou vergonha. Então seguindo todos os cuidados médicos indicados, para não ter transmissão vertical, quando o vírus passa de mãe para filho, realizei meu sonho”, conta Tatiana.

Conheça os principais tipos de hepatite no Brasil:

A hepatite A, que tem o maior número de casos, é de transmissão fecal-oral através da ingestão de água e alimentos contaminados com fezes do paciente doente ou também pode ser sexualmente transmitida, embora com menos frequência. Está diretamente relacionada às condições ruins de saneamento básico e de higiene. Ela pode ser prevenida lavando bem as mãos e alimentos, consumindo água filtrada e fervida.

O tratamento é feito apenas com o uso de remédios para febre, náusea, dor de cabeça, e também pode ser prevenida com a vacina disponível no SUS. Crianças entre 1 e 2 anos, pacientes com doença hepática crônica, imunodeprimidos e outros casos específicos podem se imunizar.

A hepatite B, é transmitida principalmente por via sexual, transmissão vertical de mãe para filho, uso de drogas inaláveis ou injetáveis com o compartilhamento de canudos, seringas e agulhas e através do contato sanguíneo através de materiais cortantes não esterilizados.

Pode apresentar os sintomas já citados ou ser totalmente assintomática e infelizmente pode evoluir para cirrose e para câncer de fígado quando não tratada. O tratamento pode ser feito pelo SUS, que oferece gratuitamente a retirada de medicação. A melhor forma de prevenção é a vacina, associada ao uso de preservativos.

A hepatite C tem como principal forma de transmissão o contato com sangue, através da transfusão de sangue ou hemoderivados contaminados, drogas injetáveis ou inaláveis e compartilhamento de material cortante não esterilizado, e também pode ser sexualmente transmitida.

É a principal causa de cirrose, câncer de fígado e transplante hepático no Brasil. A doença se torna crônica em 80% dos casos, na maioria dos casos é assintomática. Com a introdução das chamadas drogas de ação direta (DAA), o tratamento para este tipo da doença evoluiu. A duração do tratamento era de 48 semanas, com 60% de chance de cura, agora são 12 semanas com mais de 95% de chance de cura.