Ouça agora

Ao vivo

Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Costa do Sol
Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Norte Fluminense
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Angra dos Reis
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Maricá
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Estado
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho

Integrantes de CPI dos Atos Golpistas denunciam coronel Lawand por falso testemunho

Coronel foi ouvido semana passada sobre mensagens com teor golpista que estavam no celular do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do então presidente Jair Bolsonaro.
Foto: Reprodução

Doze integrantes da CPI dos Atos Golpistas protocolaram no Ministério Público Federal uma notícia-crime contra o coronel do Exército Jean Lawand por crime de falso testemunho no depoimento prestado na terça (27) à comissão parlamentar de inquérito.

O coronel Jean Lawand Junior foi convocado depois que foram divulgadas mensagens com teor golpista que estavam no celular do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do então presidente Jair Bolsonaro.

Nas mensagens de 2022 enviadas a Mauro Cid, Lawand incentiva um golpe de Estado para impedir a posse do então presidente eleito, Lula. Em primeiro de dezembro, Lawand mandou uma mensagem de áudio a Mauro Cid dizendo que Bolsonaro deveria dar ordens para o Exército agir.

Em um áudio, Lawand disse a Cid: “Cidão, pelo amor de Deus, cara. Ele dê a ordem, que o povo tá com ele, cara”. Cid respondeu: “Mas o Pr (Presidente da República) não pode dar uma ordem… se ele não confia no ACe (Alto Comando do Exército).”

Ao ser perguntado sobre o significado da mensagem na CPI, Lawand afirmou: “A ideia minha, desde o começo, desde a primeira mensagem com o Tenente-Coronel Cid foi que desse… que viesse alguma manifestação para poder apaziguar aquilo e as pessoas voltarem às suas casas e seguirem a vida normal”.

Para os parlamentares, a versão é mentirosa. Na representação, eles alegam que ficou claro o pedido para que o então presidente Bolsonaro desse uma “ordem” e não uma mensagem apaziguadora. E dizem ainda que a ordem para uma suposta mensagem com o intuito de desmobilizar quem acampava em frente aos quarteis não exigiria a participação do Alto Comando do Exército.

Ao fim do depoimento de Lawand, o próprio presidente da CPI, deputado Arthur Maia (União-BA), argumentou que o depoimento do coronel era inverossímil:

“O tempo inteiro, eu achei, eu entendi que o senhor estava faltando com a verdade, mas fiz de tudo para manter o meu lado legalista de não poder interpretar, de acordo com o meu sentimento e não com a prova material para comprovar, que o senhor estava faltando com a verdade”, disse.

Os parlamentares pedem que um procurador da República analise o caso e investigue o crime de falso testemunho. O pedido é assinado pelos deputados Pastor Henrique Vieira (PSOL-RJ), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Duarte Júnior (PSB-MA), Rogerio Correia (PT-MG), Duda Salabert (PDT-MG), Rubenes Pereira Junior (PT-MA), Erika Hilton (PSOL-SP) e Adriana Accorsi (PT-GO). Também assinam os senadores Fabiano Contarato (PT-ES), Jorge Kajuru (PSB-GO), Rogerio Carvalho (PT-SE) e Soraya Thronicke (União-MS).