Ouça agora

Ao vivo

Vítima morta durantge comício de Donald Trump é identificada
Destaque
Vítima morta durantge comício de Donald Trump é identificada
Morre escritor e jornalista Sérgio Cabral Santos aos 87 anos
Destaque
Morre escritor e jornalista Sérgio Cabral Santos aos 87 anos
FBI identifica atirador que tentou matar Donald Trump
Destaque
FBI identifica atirador que tentou matar Donald Trump
Donald Trump sofre atentado durante um comício de sua candidatura à presidência dos EUA
Destaque
Donald Trump sofre atentado durante um comício de sua candidatura à presidência dos EUA
Vestibular Uerj 2025: inscrições para o 2º Exame de Qualificação
Destaque
Vestibular Uerj 2025: inscrições para o 2º Exame de Qualificação
Julgamento de Alec Baldwin por homicídio culposo é anulado por ocultação de provas
Destaque
Julgamento de Alec Baldwin por homicídio culposo é anulado por ocultação de provas
Queimados promove quarta edição da Colônia de Férias no Horto
Baixada Fluminense
Queimados promove quarta edição da Colônia de Férias no Horto

Inea detecta excesso de substância proibida em empresa investigada por despejo no Guandu

Órgãos ambientais do estado estudam aplicar até R$ 50 milhões de multa na empresa Burn, que nega que o detergente saiu de suas instalações.
Imagem: Reprodução

Técnicos do Inea encontram quantidade excessiva de surfactantes em empresa investigada por poluir o Rio Guandu; abastecimento de água interrompido” Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) identificaram uma concentração de surfactantes acima do limite legal na galeria de águas pluviais da empresa Burn Indústria e Comércio, localizada em Queimados, na Baixada Fluminense. Essa substância química é conhecida por aumentar a solubilidade de compostos orgânicos na água e está ligada ao lançamento irregular de detergente no rio Guandu, o que causou a suspensão do abastecimento de água no Rio de Janeiro. A quantidade de surfactantes encontrada foi o dobro do permitido por lei.

Em resposta à alta concentração de surfactantes, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) interrompeu o abastecimento de água proveniente da Estação de Tratamento Guandu, que atende a mais de 11 milhões de pessoas na Região Metropolitana do estado. Espuma branca foi observada no manancial, levando a Cedae a adotar medidas preventivas, incluindo o fechamento temporário da captação e o desvio da água poluída.

A empresa Burn Indústria e Comércio é investigada por supostamente despejar resíduos no rio Guandu, causando a poluição e consequente interrupção do fornecimento de água. Além da alta concentração de surfactantes, foram encontrados diversos materiais perfurocortantes, como tesouras e alicates, no local.

A ação conjunta envolveu o Inea, a Secretaria de Ordem Pública, a Diretoria de Pós-Licença e a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente. A empresa Burn enfrenta a possibilidade de multa no valor de até R$ 50 milhões por infração ambiental.

A investigação também evidenciou que o despejo inadequado de esgoto doméstico não tratado é um problema sério na região. O Rio Guandu já apresentou dezenas de irregularidades industriais nos últimos cinco anos, resultando em multas que somam mais de R$ 3,2 milhões por riscos ao sistema de abastecimento de água.

A Burn Industria e Comércio LTDA, apesar de possuir licenças para atividades relacionadas à produção de produtos de higiene e limpeza, é acusada de descarte irregular de produtos químicos. A empresa nega as acusações e afirma seguir padrões internacionais de controle de resíduos e operar com tecnologia avançada que não teria relação com a presença de substâncias no rio Guandu. A Polícia Civil pediu a interdição da empresa após as suspeitas de poluição.