Ouça agora

Ao vivo

Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Destaque
Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Política
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Maricá
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Estado
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
Política
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil
Esportes
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil

Parque estadual no Rio de Janeiro foi atingido por incêndio

Fogo já foi controlado e Inea indica que foi causado por balão.
Foto: Reprodução

Um incêndio atingiu o Parque Estadual da Pedra Branca, na zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo o Corpo de Bombeiros, a base da corporação no bairro de Realengo foi acionada para conter o fogo por volta das 22h50 de sábado (08).

Pelas dimensões da área atingida, o trabalho de contenção durou quase três horas e, perto da 1h45 da madrugada deste domingo (09), as chamas foram controladas.

Segundo o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), o incêndio foi causado pela queda de um balão. Pelo menos 30 hectares de área foram consumidos pelo fogo.

A perícia ainda investiga os motivos do fogo na vegetação. Não estava descartada a possibilidade de um balão ter provocado o incêndio, informação que foi confirmada pelo Inea. A prática, que é mais comum neste período do ano, com as festas juninas e julinas, é considerada crime ambiental, justamente pelos riscos de incêndio.

A pena varia de um a três anos de detenção ou multa. As queimadas na vegetação também são mais frequentes neste período do ano por causa do clima mais seco, que favorece a proliferação das chamas.