Ouça agora

Ao vivo

Justiça reduz pena de condenado por morte de cinegrafista em protesto
Brasil
Justiça reduz pena de condenado por morte de cinegrafista em protesto
Bono, cachorro pentacampeão mundial de surf dog comemora aniversário no Rio
Destaque
Bono, cachorro pentacampeão mundial de surf dog comemora aniversário no Rio
Cláudio Castro se reúne com presidentes do Senado e da Câmara e defende regras mais duras para o combate ao crime
Destaque
Cláudio Castro se reúne com presidentes do Senado e da Câmara e defende regras mais duras para o combate ao crime
Governo cria sistema para emitir carteira para pessoa com TEA
Destaque
Governo cria sistema para emitir carteira para pessoa com TEA
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias

Guarda Municipal transgênero participa da Bienal do Livro de 2023

Com uma linguagem simples e direta, Jordhan Lessa fala sobre as mudanças que ocorreram em sua vida após a transição de gênero
Imagem: Divulgação

Primeiro guarda municipal transgênero do Rio de Janeiro, Jordhan Lessa, de 56 anos, lançou na 40ª edição da Bienal do Livro 2023, a segunda edição de “Missão Vencer. Nós não nascemos para ser um nada”, pela editora Proverbo, de Maricá, cidade onde ele reside há mais de 20 anos.

No livro, Jordhan Lessa nos leva a uma viagem de resgate, unindo épocas de sua vida ao contexto temporal. Através de seus ensaios poéticos, ele fala dos desconfortos que o inquietavam na adolescência e juventude, da transição de gênero e da chegada aos 50+, se vendo um homem maduro entre outros homens que tiveram uma socialização alicerçada pela masculinidade tóxica.

No prefácio, a Dra. Márcia Rachid ratifica o poder da gratidão sobre a vida do autor e termina dizendo que: “Se Jordhan Lessa não existisse teria que ser inventado”.

Com uma linguagem simples e direta, Jordhan Lessa fala sobre as mudanças que ocorreram em sua vida após a transição de gênero. Ele relata como a gratidão foi o sentimento que o ajudou a se reconstruir de dentro para fora, a aceitar a si mesmo e a encontrar seu lugar no mundo. O autor defende que a gratidão é um sentimento transformador que pode nos ajudar a superar adversidades e a encontrar nosso lugar no mundo.

O livro também aborda questões importantes como a pandemia, a homofobia e a transfobia. Em um capítulo extra, Jordhan fala sobre o letramento LGBTQIAP+, questões que ainda geram muitas dúvidas para a maioria das pessoas cis.

Há 25 anos na Guarda Municipal, Jordhan já atuou em diversas unidades operacionais da instituição e, atualmente, integra a equipe da Coordenadoria de Valorização do Servidor (CVS), que cuida do bem-estar dos funcionários da GM-Rio, integrando o programa “GM sem preconceito”, que ajudou a criar, e que aborda os eixos da violência contra a mulher, do racismo e da LGBTifobia dentro da instituição, orientado o efetivo, realizando ações de acolhimento e suporte. Jordhan também participou de diversas palestras, projetos e eventos relacionados à identidade de gênero e à valorização e direitos do público LGBTQIA+, tendo atuado também na Coordenadoria de Especial de Diversidade Sexual (CEDS).