Ouça agora

Ao vivo

Vítima morta durantge comício de Donald Trump é identificada
Destaque
Vítima morta durantge comício de Donald Trump é identificada
Morre escritor e jornalista Sérgio Cabral Santos aos 87 anos
Destaque
Morre escritor e jornalista Sérgio Cabral Santos aos 87 anos
FBI identifica atirador que tentou matar Donald Trump
Destaque
FBI identifica atirador que tentou matar Donald Trump
Donald Trump sofre atentado durante um comício de sua candidatura à presidência dos EUA
Destaque
Donald Trump sofre atentado durante um comício de sua candidatura à presidência dos EUA
Vestibular Uerj 2025: inscrições para o 2º Exame de Qualificação
Destaque
Vestibular Uerj 2025: inscrições para o 2º Exame de Qualificação
Julgamento de Alec Baldwin por homicídio culposo é anulado por ocultação de provas
Destaque
Julgamento de Alec Baldwin por homicídio culposo é anulado por ocultação de provas
Queimados promove quarta edição da Colônia de Férias no Horto
Baixada Fluminense
Queimados promove quarta edição da Colônia de Férias no Horto

Governo não sabe se crianças e adolescentes do Bolsa Família frequentam a escola

Os dados foram obtidos pelo g1 via Lei de Acesso à Informação (LAI)
Foto: Reprodução

É um mistério para o Governo Federal os dados da frequência escolar de um quarto das crianças e adolescentes que são beneficiados pelo Bolsa Família para saber se estão realmente estudando – uma das condições para a família ter direito aos pagamentos do programa.

São quase 19,2 milhões de pessoas que deveriam ser acompanhadas, mas em maio deste ano, não havia informações sobre 5,2 milhões, o que representa 27,47% desse público.

Os dados são do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social e foram obtidos pelo g1 via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Para participar do Bolsa Família, é preciso cumprir alguns critérios nas áreas da saúde e educação, como:

  • A principal regra é ter renda mensal por pessoa de até R$ 218.
  • Frequência escolar mínima de 60% para as crianças de quatro a cinco anos; e
  • Frequência escolar mínima de 75% para os beneficiários de seis a 18 anos incompletos que não tenham concluído a educação básica.

Quanto é pago:

  • Cada integrante da família, de qualquer idade, tem direito a R$ 142.
  • É garantido o pagamento mínimo de R$ 600 por família inscrita no programa, mesmo se tiver até quatro integrantes. Ou seja, se a família tem quatro pessoas, por exemplo, o benefício soma R$ 568. Para chegar aos R$ 600, o governo paga um complemento de R$ 32.
  • Cada criança de zero a seis anos na família tem direito a um valor adicional de R$ 150.
  • São pagos R$ 50 para gestantes, crianças e adolescentes de 7 a 18 anos.

Além da frequência escolar, o programa exige outras condições dos participantes:

  • Realização do acompanhamento pré-natal;
  • Cumprimento do calendário nacional de vacinação; e
  • Realização do monitoramento do estado nutricional das crianças menores de sete anos.

O objetivo dessas exigências é promover o acesso, permanência e efetiva escolarização do público do programa.

O que diz o governo?

Procurado pelo g1, o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social (MDS) reconheceu o problema, mas argumentou que herdou essa situação do governo Bolsonaro e elencou uma série de medidas tomadas para reverter esse cenário.

Em nota, a pasta ressaltou que o acompanhamento do programa é compartilhado entre União, estados e municípios, mas que essa relação “foi desmantelada” na gestão anterior, o que fez “com que as condicionalidades deixassem de ser prioridade dentro do programa de transferência de renda”.

Com o relançamento do Bolsa Família, em março de 2023, a checagem das famílias beneficiárias foi retomada, segundo o MDS, e, desde então, uma série de medidas está em andamento, como a integração das bases de dados de diferentes órgãos e ministérios; o aprimoramento de sistemas; e a capacitação de operadores para incluírem os dados nas bases.

A pasta informou ainda que o Ministério da Educação (MEC) assumiu o sistema de registro escolar dos estudantes beneficiários e tem investido em melhorias estruturais e mantido diálogo frequente, em reuniões semanais, com estados e municípios.

Em outra frente, afirmou o MDS, também está em desenvolvimento o cruzamento das bases de dados do Inep (vinculado ao MEC e que cuida dos dados educacionais) e do Cadastro Único, a fim de reduzir a margem de alunos não localizados, que “tem relação direta com os sub-registros de acompanhamento”.

Essas ações, de acordo com o ministério, já têm surtido efeito e resultaram no aumento do quantitativo de estudantes beneficiários acompanhados. No primeiro período de 2023 (fevereiro e março), o percentual foi de 70,02%. No segundo período (abril e maio), esse índice subiu para 72,53%.

O Ministério da Educação também foi procurado pelo g1, mas não se pronunciou.