Ouça agora

Ao vivo

Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Mundo
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Destaque
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Estado
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Política
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Esportes
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo

Governo Federal reduz anúncios na internet para ampliar utilização de mídias tradicionais

Em pouco mais de seis meses do terceiro mandato do petista, veículos de mídia da Globo receberam ao menos R$ 54,4 milhões em propagandas
Foto: Lula e Bolsonaro no debate da Globo / Reprodução

O presidente Lula (PT) tem priorizado a televisão na veiculação da propaganda oficial do governo federal, com a destinação nos seis primeiros meses de sua gestão de 73% da verba para esse formato de comunicação. Ao mesmo tempo, tem reduzido significativa o volume de anúncios em meios que circulam suas informações pela internet.

Na administração de Jair Bolsonaro (PL), as TVs ficaram com 47% do total, de 2019 a 2022, mostram dados da publicidade da Secom (Secretaria de Comunicação Social) da Presidência da República e dos ministérios.

Mas o grupo Globo voltou a ter protagonismo e liderar com folga o ranking de pagamentos da publicidade estatal sob o governo Lula.

Pelos dados da Secom, emissoras de TV e rádio da Globo receberam R$ 54,4 milhões para veicular a propaganda oficial do governo em 2023, ante R$ 13 milhões da Record, R$ 11 milhões do SBT, R$ 5 milhões da Band e R$ 1 milhão para RedeTV! e EBC, cada uma.

Do valor direcionado ao grupo Globo, praticamente toda a verba é para veiculações na TV. Além disso, o site Globo.com recebeu R$ 394,5 mil, e emissoras da rádio CBN foram destinatárias de cerca de R$ 345 mil.

O aumento da canalização da verba para TVs levou ao encolhimento do valor direcionado para propaganda na mídia estrangeira, na internet e no rádio.

Nos quatro anos de Bolsonaro, mídia estrangeira ficou com 21% da fatia da publicidade, internet com 18% e rádio, 12%. Já sob Lula esses percentuais caíram para 10%, 8% e 7%, respectivamente.

No ranking das 15 empresas que mais verbas de publicidade receberam sob Bolsonaro, estão as big techs Meta (Instagram e Facebook), Google e Twitter.

Sob Lula, Meta (com R$ 2,2 milhões nesses seis meses) e Google (R$ 1,2 milhão) permanecem no top 15, e entram TikTok (R$ 1,4 milhão) e Kwai (R$ 600 mil).