Ouça agora

Ao vivo

Nova Iguaçu é o segundo município do Brasil em adesões à CIPA Escolar
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu é o segundo município do Brasil em adesões à CIPA Escolar
Trabalha Rio estará em quatro bairros nesta semana para cadastrar currículos
Rio de Janeiro
Trabalha Rio estará em quatro bairros nesta semana para cadastrar currículos
Em reunião com prefeitos das regiões Norte e Noroeste, governador apresenta mais de 450 ações realizadas no interior
Estado
Em reunião com prefeitos das regiões Norte e Noroeste, governador apresenta mais de 450 ações realizadas no interior
Lancha explode em Cabo Frio e deixa nove feridos
Costa do Sol
Lancha explode em Cabo Frio e deixa nove feridos
Angra vai sediar evento sobre desenvolvimento sustentável
Angra dos Reis
Angra vai sediar evento sobre desenvolvimento sustentável
Estados e municípios terão plano de combate à violência contra mulher
Destaque
Estados e municípios terão plano de combate à violência contra mulher
Serviço de microchipagem em animais será lançado nesta quarta em Macaé
Norte Fluminense
Serviço de microchipagem em animais será lançado nesta quarta em Macaé

Governo Lula encerra escolas cívico-militares criadas por Bolsonaro

Programa foi um dos carros-chefe do governo de Jair Bolsonaro (PL). Segundo ofício enviado aos estados, o programa será extinto de forma "cuidadosa" até o final de 2023.
Foto: Reprodução

O governo Lula decidiu encerrar o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, criado pela gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), e uma das prioridades de sua gestão. A decisão foi informada por ofício aos secretários estaduais de Educação, enviado nesta segunda-feira (10/7) pelo Ministério da Educação. A ideia é que o programa seja encerrado de maneira “cuidadosa” até o fim de 2023.

Segundo o documento, obtido pelo Correio, o governo iniciará um processo de desmobilização dos militares alocados nas escolas vinculadas ao programa. O processo deve ser feito ainda de forma a não prejudicar o ano letivo. A decisão foi tomada após análise conjunta entre os ministérios da Educação e da Defesa.

Os coordenadores regionais do programa e responsáveis nas secretarias estaduais deverão “assegurar uma transição cuidadosa das atividades, que não comprometa o cotidiano das escolas e as conquistas de organização que foram mobilizadas pelo programa”. As escolas cívico-militares serão reintegradas à rede regular de ensino.

Ao todo, foram implantadas 216 escolas cívico-militares nas 27 unidades da Federação. O programa foi um dos carros-chefes da gestão de Jair Bolsonaro, mas foi alvo constante de críticas durante sua vigência. Segundo a medida, as escolas inscritas no programa seguem currículo definido pela secretaria de Educação de seu estado, mas são geridas por militares e os alunos devem seguir as regras estabelecidas por eles, como o uso de fardas.

As unidades são geridas tanto pelas Forças Armadas quanto pela Polícia Militar, a depender da escola. Sob Bolsonaro, o Ministério da Educação não apresentou dados que comprovasse a eficácia do modelo.