Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Flávio Dino defende ação da PF contra agressores de Moraes: “passou da hora de naturalizar absurdos”

Ministro rejeita afirmação de que buscas feitas nos endereços dos supostos agressores se trate de ‘fishing expedition’, uma expressão para definir uma busca especulativa e sem causa justificada
Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB), fez uma defesa pública da operação da Polícia Federal de ontem contra os três acusados de agredirem o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e sua família: Roberto Mantovani Filho, Andréa Mantovani e Alexandre Zanatta. Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela presidente do Supremo, ministra Rosa Weber.

Segundo Dino, não se trata de “pesca probatória”. “A Polícia Federal pediu busca e apreensão, no âmbito de investigação por agressões contra o ministro Alexandre de Moraes e sua família, baseada no artigo 240 do Código de Processo Penal. A medida se justifica pelos indícios de crimes já perpetrados. Tais indícios são adensados pela multiplicidade de versões ofertadas pelos investigados. Sobre a proporcionalidade da medida, sublinho que passou da hora de naturalizar absurdos. E não se cuida de ‘fishing expedition’, pois não há procura especulativa, e sim fatos objetivamente delineados, que estão em legítima investigação”, escreveu Dino no Twitter nesta quarta-feira (19).

Foi instaurado um inquérito policial com o objetivo de apurar acusações de agressão, ameaça, injúria e difamação por parte dos três citados contra Moraes. No Código Penal, os crimes praticados por brasileiros ficam sujeitos à lei brasileira mesmo que sejam cometidos fora do País – o caso ocorreu no aeroporto de Roma, na Itália.