Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Felipe Prior é condenado a seis anos de prisão por estupro e defesa se manifesta

Cabe recurso à decisão, julgada em primeira instância em São Paulo.
Foto: Reprodução

Felipe Prior foi condenado pela Justiça de São Paulo a seis anos de reclusão por crime de estupro. Segundo a decisão, o empresário e arquiteto pode cumprir a pena em regime inicial semiaberto, mas ainda poderá recorrer da decisão. A defesa do arquiteto confirmou, em nota, que “a sentença será objeto de apelação”.

O crime aconteceu em 2014, depois de uma festa na Universidade de São Paulo (USP). Segundo o relato da vítima, dado com exclusividade à “Marie Claire” em 2020, o empresário usou de força física para realizar o crime. Themis (nome fictício) contou à publicação que ela e uma amiga aceitaram a carona do empresário, mas ele começou a beijá-la e a passar a mão em seu corpo.

Prior teria dado carona à vítima e a uma amiga após uma festa universitária em agosto de 2014, depois de levar a outra colega em sua residência, o ex-BBB seguiu em direção à casa da vítima. Em uma rua próxima à casa da mulher, Prior teria começado a beijá-la, passar a mão em seu corpo e puxado a vítima para o banco traseiro. Como a vítima estava alcoolizada, não conseguiu oferecer resistência, e a relação teria ocorrido sem o conscientimento da vítima.

Como o caso segue em segredo de justiça, a única informação disponível é o resultado do julgamento da juíza Eliana Cassales Tosi Bastos.

“Ante todo o exposto e considerando o mais que dos autos consta, JULGO PROCEDENTE a presente ação penal, a fim de CONDENAR o acusado FELIPE ANTONIAZZI PRIOR, qualificado nos autos, pela prática do crime tipificado no artigo 213, caput, do Código Penal, impondo-lhe, por isso, a pena privativa de liberdade de 6 (seis) anos de reclusão, em regime inicial semiaberto. Considerando que o réu respondeu a todo o processo em liberdade, faculto-lhe o direito de recorrer em liberdade. Nos termos do artigo 4º, § 9º, alínea “a”, da Lei Estadual nº 11.608/2003, condeno o réu a pagar o equivalente a 100 (cem) UFESPs.”. Uma UFESP (Unidade Fiscal do Estado de São Paulo) é de R$ 34, 26 em 2023.

O artigo citado prevê que é crime de estupro constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso.

 

Casos foram denunciados após a entrada de Felipe Prior ao programa global

Prior teve a primeira denúncia divulgada após sua saída do BBB. Segundo uma das advogadas das vítimas, Maíra Pinheiro, uma universitária viu a chamada da participação de Felipe Prior no Big Brother Brasil 20 e fez um post no Twitter em que afirmava que o conhecia e que ele havia sido impedido de entrar no InterFau 2019 (jogos esportivos entre faculdades de arquitetura de São Paulo) após uma denúncia de assédio. A partir desta publicação, outras mulheres se juntaram a ela.

A defesa de Prior emitou um comunicado, confira abaixo:

Foto: Reprodução

 

Ao site G1, a advogada da vítima, Maíra Pinheiro, fez a seguinte declaração.

“Em que pese a qualidade técnica da sentença, entendemos que a pena imposta não reflete a brutalidade e as consequências do crime, por isso iremos recorrer em relação a esse aspecto”, afirmou a criminalista.