Ouça agora

Ao vivo

PM prende homem com drogas em Macaé
Norte Fluminense
PM prende homem com drogas em Macaé
Segurança Presente resgata 42 pessoas de um suposto centro de reabilitação clandestino em Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Segurança Presente resgata 42 pessoas de um suposto centro de reabilitação clandestino em Nova Iguaçu
Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta redução das Mortes Violentas Intencionais no RJ
Destaque
Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta redução das Mortes Violentas Intencionais no RJ
Escola Municipal do Idoso está com inscrições abertas até o dia 23/07
Maricá
Escola Municipal do Idoso está com inscrições abertas até o dia 23/07
Colecionadores podem comprar selos em comemoração aos 50 anos da Hello Kitty
Destaque
Colecionadores podem comprar selos em comemoração aos 50 anos da Hello Kitty
Inscrições para o Prouni abrem nesta terça-feira (23)
Brasil
Inscrições para o Prouni abrem nesta terça-feira (23)
Cláudio Castro autoriza construção de três novos batalhões da PM
Destaque
Cláudio Castro autoriza construção de três novos batalhões da PM

Facções dificultam instalação de câmeras em fardas de PMs das UPPs do Rio

Autoridades estão buscando soluções tecnológicas para conseguir conectividade e, assim, manter o sistema em funcionamento
Imagem: Reprodução

Por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), a instalação de câmeras nos uniformes dos policiais no Rio de Janeiro está enfrentando desafios nas favelas do estado, onde a distribuição de sinal de internet é controlada por traficantes e milicianos. As autoridades estão buscando soluções tecnológicas para garantir a conectividade e manter o sistema em funcionamento. Esse problema foi evidenciado nas comunidades do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo, em Copacabana e Ipanema, Zona Sul, que contam com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) desde 2009, e no Jacarezinho, Zona Norte, onde o programa está presente desde 2013. O planejamento do governo visa equipar todas as 29 unidades do estado com câmeras até dezembro, que transmitirão imagens em tempo real para o Centro Integrado de Controle e Comando (CICC).

A conectividade nas favelas é um desafio significativo, uma vez que nenhuma empresa de internet possui autorização para operar nesses territórios, onde o sinal é clandestino e controlado por criminosos. Para superar essa barreira, os policiais nas áreas afetadas tiveram que inicialmente usar chips 3G e 4G. As duas UPPs mencionadas são as primeiras a adotar as câmeras corporais. Rafael Grande, diretor da Vertical Segurança Eletrônica e Data Center da L8 Group, responsável pela instalação do sistema de câmeras corporais, explicou que, embora o grupo tenha 34 operadoras conveniadas no projeto, nenhuma delas oferece o serviço nessas duas comunidades.

Para resolver esse problema, estão sendo adotadas estratégias como a instalação de fibra ótica nas bases onde as câmeras estão localizadas, para melhorar a transmissão. Quando isso não é possível, recorre-se à internet via satélite e ao sistema 4G. Além disso, o uso adequado das câmeras tem sido um desafio, com relatos de PMs que retiram o equipamento do uniforme ou o cobrem.

Outro desafio é a transparência no envio das imagens para investigações. A Defensoria Pública do Rio reportou casos de PMs que não acionaram o modo ocorrência, resultando na exclusão das imagens após 60 dias de armazenamento. O secretário estadual de Polícia Militar, coronel Luiz Henrique Marinho Pires, reforçou a importância de acionar o modo ocorrência e anunciou que o serviço 190 irá alertar os PMs para fazê-lo. Até dezembro, a meta é equipar 13.500 câmeras em todo o estado.

A Corregedoria-Geral da PM recebeu 940 requisições de imagens de diversas instituições e instaurou 470 Documentos de Razão de Defesa (DRDs) para investigações. Para superar esses desafios, é fundamental que as câmeras sejam utilizadas de forma apropriada, garantindo a transparência e a responsabilização em casos de abusos.