Ouça agora

Ao vivo

Cartórios podem renegociar dívidas enviadas a protesto
Destaque
Cartórios podem renegociar dívidas enviadas a protesto
Brasil encara Costa Rica na estreia da Copa América esta noite nos EUA
Esportes
Brasil encara Costa Rica na estreia da Copa América esta noite nos EUA
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Estado
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Cultura
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Rioprevidência alerta para suspensão do benefício de pensionista que não fez o recenseamento obrigatório em novembro
Estado
Rioprevidência alerta para suspensão do benefício de pensionista que não fez o recenseamento obrigatório em novembro
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Brasil
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho

Exposição conta a história da construção do MAM do Rio de Janeiro

A mostra “MAM Rio: Origem e construção” será inaugurada em 22 de julho e ficará em cartaz até o final do ano.
Foto: ;Acervo MAM Rio / Divulgação

No dia 22 de julho, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) irá inaugurar a exposição MAM Rio: Origem e construção. A ideia é mostrar toda a história da instituição desde sua fundação, a partir de 1948, até a construção de sua sede permanente, entre 1954 e 1967.

Serão cerca de 160 itens documentais – entre fotografias, cartas, jornais, estatutos, croquis, plantas baixas e folders –, que destacam o conceito do projeto do edifício e a sua materialização, realizada pelo arquiteto Affonso Eduardo Reidy e da engenheira Carmen Portinho. O acervo foi composto por uma seleção da área de Pesquisa e Documentação da própria instituição, com contribuições dos arquivos dos Museus Castro Maya.

“O material a ser apresentado reflete como o museu foi concebido e evoluiu ao longo dos primeiros anos, contando com o envolvimento de pessoas do Rio de Janeiro e de diversos outros lugares que colaboraram na construção dessas ideias”, disse Pablo Lafuente, diretor artístico. “Além disso, vemos como o processo se manifestou nas sedes provisórias e foi concluído na construção da sede permanente no Aterro do Flamengo”, acrescenta.

História do MAM Rio em ordem cronológica 

Para contar a trajetória do MAM Rio, o espaço será organizado cronologicamente com dez mesas. A mesa Ato de fundação contempla a fase embrionária do projeto, com a ata de constituição, os primeiros estatutos e a documentação sobre a formação inicial do museu.

Já a mesa Morada temporária aborda o período em que o MAM Rio ocupou o Palácio Capanema, trazendo fotografias da montagem do espaço e de sua inauguração com a primeira exposição, chamada Acervo, e da 1ª Bienal de São Paulo (1952).

Enquanto isso, O núcleo original apresenta as pessoas envolvidas no processo de formação do museu, como Gustavo Capanema, Walther Moreira Salles, Francisco Matarazzo Sobrinho e Carlos Drummond de Andrade.

Já as mesas Uma sede própria e O MAM Rio e seu entorno abordam a sede definitiva, com textos do arquiteto Affonso Eduardo Reidy e de Roberto Burle Marx, responsável pelo paisagismo dos jardins. A segunda mesa mencionada contém uma fotomontagem e plantas baixas que revelam a posição do museu em perspectiva com o centro e a Baía de Guanabara.

Em A estaca fundamental estão documentos e fotografias referentes desde à tratativa de doação do terreno do museu e ao desmonte do morro de Santo Antônio até o espaço que seria aterrado. Na mesma mesa, há imagens do início das obras e um texto da engenheira Carmen Portinho sobre o processo da construção da sede.

Em Metal e concreto, o público verá relatórios da construção dos blocos Escola e de Exposições. Já Rede de conexões explora a relação do museu com diferentes personalidades, como os arquitetos Le Corbusier e Lina Bo Bardi, os políticos Jânio Quadros e Nelson Rockefeller, a atriz Cacilda Becker, o compositor Heitor Villa-Lobos e as artistas Lygia Clark, Anita Malfatti e Djanira.

A abertura da sede definitiva é finalizada com a exibição de mais duas mesas. A inauguração celebra a abertura do Bloco Escola, que contou com uma série de cerimônias para marcar a inauguração do museu e da primeira mostra no espaço do MAM Rio. Dentre as fotografias destacadas estão a da plantação das palmeiras em frente ao edifício e a do jantar na residência de Raymundo Ottoni, de Castro Maya.

Por fim, Bloco de Exposições conclui o projeto artístico e expositivo do museu através de publicações, de fotografias da inauguração da mostra retrospectiva de Lasar Segall, em setembro de 1967, e de toda a comunicação acerca da conclusão da construção do Bloco de Exposições.

Inauguração da sede provisória do MAM Rio e da exposição “Acervo” e da primeira Bienal de São Paulo — Foto: Acervo MAM Rio / Divulgação

Exposição incentiva visita à biblioteca

Todo o evento faz parte do projeto Bibliotecas em Rede – Laboratório de Leituras, na qual a ideia é incentivar o acesso à área de leitura e educativa da própria instituição. A iniciativa também realizará serviços de restauração, indexação, catalogação e digitalização do acervo bibliográfico.

 

“Enquanto a biblioteca passa por um processo de reformulação do seu espaço físico, MAM Rio: Origem e construção disponibiliza livros sobre assuntos diversos, cópias de títulos presentes no acervo do museu, criando um espaço de leitura e partilha”, finalizou o diretor artístico Pablo.

 

Serviço MAM Rio: Origem e construção

Quando: 22 de julho a 3 de dezembro.
Local: MAM Rio – Av. Infante Dom Henrique, 85, Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro, RJ.
Horário: de quarta a domingo (incluindo feriados), das 10h às 18h.
Ingressos: R$ 20 para adultos e R$ 10 para crianças, estudantes e idosos.