Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Estudo aponta que ar na Floresta da Tijuca é sete vezes mais puro do que em bairros do Rio

Estudo realizado por pesquisadores da Universidade Veiga de Almeida e da UFRJ mediu a quantidade de hidrocarbonetos precursores do ozônio, considerado o maior responsável pela poluição atmosférica
Foto: Agência Brasil

Em tempos de piora na qualidade do ar nas grandes cidades, principalmente quando tempo fica seco e as chuvas cessam, um estudo recente traz um alento e aponta que a solução para amenizar esse problema mundial pode ser mais “simples” do que aparenta: um levantamento mostra que o ar no Parque Nacional da Tijuca chega a ser sete vezes mais puro do que em outros bairros do Rio de Janeiro. Ou seja, apostar na conservação e restauração da vegetação – além de investir em mobilidade de baixo carbono – pode ser o caminho para melhorar o ar que respiramos.
O estudo foi realizado por um grupo de pesquisadores da UVA (Universidade Veiga de Almeida) e da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), que mediu a quantidade de hidrocarbonetos precursores do ozônio.
“Ao lado do material particulado fino, o ozônio é o maior responsável pela poluição atmosférica, que atinge diretamente a saúde humana”, explica a UVA em nota.
As amostras para medição foram coletadas em quatro pontos da cidade, sendo dois em áreas verdes e dois em áreas urbanas: Parque Nacional da Tijuca, Parque Estadual do Grajaú, bairros da Tijuca e Del Castilho, na Zona Norte.
Com apenas cerca de cinco quilômetros de distância, em linha reta, da Floresta da Tijuca para o bairro Del Castilho, a diferença de hidrocarbonetos foi de até sete vezes.

“As medições que fizemos em comparação com outras áreas urbanas da cidade nos provaram que a densidade de cobertura vegetal de Mata Atlântica presente no Parque Nacional da Tijuca funciona como uma barreira contra a poluição atmosférica”, afirma o professor Cleyton Martins, do Mestrado em Ciências Ambientais da UVA, e coordenador da pesquisa.
Outro ponto importante do estudo mostra que a floresta pode ajudar na qualidade do ar mesmo em áreas alteradas. O ar coletado na Praça Saenz Peña, no bairro da Tijuca, localizada a menos de um quilômetro dos limites da floresta, continha 2,5 vezes menos hidrocarbonetos do que Del Castilho.
“A Saenz Peña fica a poucos metros da floresta. A floresta está atuando como uma barreira. E, na Tijuca, os ventos vêm do Sul, então passam primeiro pela floresta”, afirma Graciela Arbilla, pesquisadora da UFRJ, à Agência Brasil.

Importância da preservação da Mata Atlântica
Mesmo com a inegável importância das árvores em áreas urbanas, a pesquisa reforça a necessidade de preservar a vegetação nativa. “No Parque do Grajaú, as amostras tiveram índices maiores de hidrocarbonetos, o que mostra a importância da extensão da área de superfície de cobertura vegetal. Não adianta apenas arborizar a cidade com mais praças, a Mata Atlântica preservada é que faz a diferença”, diz o professor Martins.
Em estudos anteriores, os mesmos pesquisadores já haviam encontrado menores valores de Material Particulado Fino e gases de efeito estufa em áreas pertencentes à Mata Atlântica quando comparadas a outras áreas urbanizadas.
“Observamos que a Floresta da Tijuca, bem como toda a Mata Atlântica, desempenha um papel fundamental na mitigação dos poluentes atmosféricos, sobretudo em grandes cidades como o Rio de Janeiro, seja por meio da absorção e adsorção de poluentes, seja atuando como uma barreira física natural às massas de ar que transportam poluentes”, explica o professor.
Por isso, o grupo chama atenção para a importância da preservação da Mata Atlântica. “Preservar a Mata Atlântica e criar mecanismos para tal é dever de todos, sobretudo considerando a sua importância não só pela sua biodiversidade, mas também para a regulação climática e disponibilidade hídrica, e ainda para a qualidade do ar e a mitigação das mudanças climáticas”, conclui o especialista.
O trabalho foi publicado na revista Chemosphere.