Ouça agora

Ao vivo

Nova Iguaçu é o segundo município do Brasil em adesões à CIPA Escolar
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu é o segundo município do Brasil em adesões à CIPA Escolar
Trabalha Rio estará em quatro bairros nesta semana para cadastrar currículos
Rio de Janeiro
Trabalha Rio estará em quatro bairros nesta semana para cadastrar currículos
Em reunião com prefeitos das regiões Norte e Noroeste, governador apresenta mais de 450 ações realizadas no interior
Estado
Em reunião com prefeitos das regiões Norte e Noroeste, governador apresenta mais de 450 ações realizadas no interior
Lancha explode em Cabo Frio e deixa nove feridos
Costa do Sol
Lancha explode em Cabo Frio e deixa nove feridos
Angra vai sediar evento sobre desenvolvimento sustentável
Angra dos Reis
Angra vai sediar evento sobre desenvolvimento sustentável
Estados e municípios terão plano de combate à violência contra mulher
Destaque
Estados e municípios terão plano de combate à violência contra mulher
Serviço de microchipagem em animais será lançado nesta quarta em Macaé
Norte Fluminense
Serviço de microchipagem em animais será lançado nesta quarta em Macaé

Estatuto da Criança e do Adolescente completa 33 anos

Apesar dos avanços, país tem desafios, como ampliar a vacinação.
Foto: Reprodução

O Estatuto da Criança e do Adolescente completa 33 anos nesta quinta-feira (13). Em mais de três décadas, o ECA trouxe conquistas importantes para a proteção e promoção da infância e da juventude no país, como o acesso à educação e a redução da mortalidade e do trabalho infantil.

O estatuto reafirma a responsabilidade da família, da sociedade e do Estado de garantir condições para o desenvolvimento de meninos e meninas.

Mas, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o cenário atual é preocupante. Mais de 60% da população de até 17 anos vive na pobreza no Brasil.

Falta acesso a direitos básicos, como educação, saneamento, água, alimentação, moradia e informação.

Em sessão solene para celebrar o aniversário do ECA, na Câmara dos Deputados, em Brasília, o coordenador do Programa Cidadania dos Adolescentes do Unicef no Brasil, Mário Volpi, destacou o aumento dos índices de vacinação e a redução das mortes de adolescentes como desafios.

“O Brasil tinham 100% de suas crianças vacinadas e, nos últimos anos, essa hesitação dos pais faz com que nós tenhamos a volta de doenças que estavam erradicadas. Nós tínhamos, em 1990, 5,4 adolescentes em média assassinados a cada dia. Hoje são mais de 20 adolescentes assassinados por dia”, lamentou.

Segundo o advogado e especialista em direitos da infância e juventude, Ariel de Castro, o estatuto trouxe importantes atualizações, como a proibição de castigos físicos, medidas protetivas contra agressores e a guarda compartilhada.

De acordo com ele, a pandemia de covid-19 aumentou a evasão escolar, a violência doméstica e o número de órfãos. “Cento e trinta mil crianças e adolescentes que ficaram órfãos de pais, mães, responsáveis legais que morreram no período da pandemia. [Houve] um aumento muito grande da violência, principalmente, doméstica, nós temos ainda um sistema que não apura adequadamente as denúncias, que não gera responsabilizações judiciais dos agressores e violadores dos direitos de crianças e adolescentes.”

Para Marcus Fuchs, integrante da Agenda 227, que reúne mais de 400 organizações que atuam no campo dos direitos da criança e do adolescente, é essencial garantir orçamento público para a infância e a juventude. “Não existe a possibilidade de se investir em saúde, educação, inclusão das crianças pretas, indígenas, ribeirinhas, LGBTQIA+, não é possível viabilizar que o Brasil alcance os objetivos do desenvolvimento sustentável, seus compromissos na Agenda 2030 da ONU, se não houver investimento, se não houver prioridade orçamentária.”