Ouça agora

Ao vivo

Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Estado
Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Destaque
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Costa do Sol
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Angra dos Reis
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Maricá
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar
Estado
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar

Empresário que agrediu filho de ministro do supremo em Roma se nega a falar com a PF ao chegar no Brasil

Por causa das netas, Roberto Mantovani Filho prefere comparecer a polícia depois.
Foto: Reprodução

O empresário Roberto Mantovani Filho, se recusou a falar com a Polícia Federal, ao desembarcar no Brasil. Roberto disse que só falaria ao receber um comunicado oficial sobre a acusação que pesa contra ele e familiares para detalharem suas versões sobre os fatos.

Segundo a Polícia Federal, Mantovani participou das agressões ao Ministro Alexandre de Moraes e ao filho dele nesta sexta-feira (14), no aeroporto internacional de Roma. O magistrado foi xingado por uma mulher identificada como Andreia Mantovani. Ao sair em defesa do pai, o filho de Moraes foi agredido com um tapa por Roberto. Um terceiro suposto agressor, Alex Zanatta, genro do empresário, prosseguiu com os xingamentos ao lado de Roberto e Andreia.

Roberto, que é empresário do interior de São Paulo, afirmou que estava acompanhado de sua família, incluindo duas netas (de 4 e 2 anos), ao serem abordados por agentes policiais na chegada ao Brasil. Por isso, preferiu não conversar com uma delegada da PF na madrugada deste sábado (15), deixando para comparecer à corporação posteriormente.