Ouça agora

Ao vivo

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Política
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Esportes
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Estado
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Destaque
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Brasil
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa
Rio de Janeiro
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa

Élcio Queiroz diz em delação que arma usada para matar Marielle foi desviada do BOPE

Para o ex-policial, motivo da quebra do silêncio se dá pela falta confiança em Ronnie Lessa, acusado de ser o executor da vereadora e de Anderson Gomes
Foto: Divulgação

No dia em que uma operação da Polícia Federal trouxe novos desdobramentos do caso Marielle, uma revelação veio à tona. O ex-PM Élcio de Queiroz deu detalhes sobre a morte da vereadora e do motorista Anderson Gomes em uma delação premiada com a Polícia Federal e com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). No depoimento, Élcio diz que a arma que matou Marielle Franco foi extraviada de um incêndio Batalhão de Operações Especiais (BOPE). Segundo ele, Ronnie Lessa já tinha uma relação de carinho com a arma por ter trabalhado na Tropa de Elite da PM.

“Houve um incêndio no Batalhão de Operações Especiais, no paiol, e essa arma foi extraviada. Essa e outras armas foram extraviadas nesse incêndio aí e essa arma ficou com uma pessoa que eu não sei quem é. Essa pessoa conseguiu fazer a manutenção dela e vendeu pra ele”, afirmou Élcio.

Élcio também não soube explicar como eles tiveram acesso à munição restrita da Polícia Federal, mas afirmou que Ronnie deve ter amigos no órgão até hoje. No depoimento, ele diz que Ronnie alegou que se desfez da arma quando o crime começou a ter muita repercussão:

“No início, ele ficou com ela ainda, mas quando o negócio começou a tomar muito vulto mesmo, eu falei ‘o que você fez com essa arma?’ Ele falou ‘eu serrei ela todinha’ […] Ele falou que serrou ela todinha, pegou a embarcação lá na Barra da Tijuca, foi numa parte que tinha trinta metros e jogou ali”, contou ele.

Élcio, no entanto, diz não acreditar na versão de Ronnie, por ter conhecimento da relação de carinho que ele tinha com a arma. No presídio, Ronnie confessou ao Élcio que estava preocupado com algumas “coisinhas” que estavam na casa de Pedro Bazzanella, amigo em comum dos dois e também citado no inquérito do crime.

Ronnie Lessa foi apontado por Élcio Queiroz, em delação premiada, como sendo o autor dos disparos que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes. Ex-policial militar, ele foi preso em março de 2019 pela participação nos assassinatos e acabou expulso da PM em fevereiro deste ano. Em 2021 foi condenado a quatro anos e meio de prisão pela ocultação das armas que teriam sido usadas na execução.

Polícia Federal deflagra a Operação Élpis

Foi preso nesta segunda-feira (24) o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, o Suel, na Operação Élpis da A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). Suel foi condenado em 2021 a quatro anos de prisão por atrapalhar as investigações, mas cumpria a pena em regime aberto. O ex-bombeiro tinha sido preso em junho de 2020 durante a Operação Submersos II, e já é réu neste por processo receptação, porque recebeu o carro usado no crime segundo o MP e a PF.

Suel foi preso em casa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste, e foi levado para a sede da PF, na Zona Portuária. Ele foi preso na mesma casa onde foi detido anteriormente. Um carro do ex-bombeiro foi apreendido.

Esta é a primeira operação desde que a PF assumiu a investigação dos homicídios, no início do ano, da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, além da tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves.

Maxwell era o dono do carro usado para esconder as armas que estavam em um apartamento de Ronnie Lessa, acusado de ser um dos autores do assassinato e amigo de Suel. O ex-bombeiro também teria ajudado a jogar o armamento no mar, segundo o MPRJ.