Ouça agora

Ao vivo

Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Mundo
Papa emite um raro pedido de desculpas por suposto uso de palavra homofóbica em italiano
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Brasil
Brasil recupera desempenho de alfabetização do período pré-pandêmico
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Destaque
Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Baixada Fluminense
Assistência Social de Belford Roxo abre inscrições para acolhimento familiar de crianças e adolescentes
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Estado
Estado anuncia a criação de projeto piloto de prevenção de tragédias climáticas em nove cidades
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina

El Niño deve trazer devastação sem precedentes para economia mundial

No Brasil e na Colômbia, a vilã será a seca, que pode afetar a produção.
Foto: Reprodução

A volta do fenômeno climático El Niño após quase quatro anos deve trazer “devastação sem precedentes para economia mundial”, aponta a Bloomberg Economics. De acordo com a modelagem da agência internacional, a mudança da fase mais fria do La Niña para uma fase de aquecimento pode “gerar o caos, principalmente nas economias emergentes que crescem rapidamente”.

A previsão vem em um momento no qual a economia global já está frágil, ainda lutando para se recuperar da Covid-19 e a guerra da Rússia na Ucrânia. “As redes elétricas sofrem tensões e os apagões se tornam mais frequentes. O calor extremo cria emergências de saúde pública, enquanto a seca aumenta os riscos de incêndio. As colheitas estragam, as estradas são inundadas e as casas são destruídas”, aponta a Bloomberg.

Os analistas lembram que os anos de El Niño anteriores resultaram em um impacto marcante na inflação global, acrescentando 3,9 pontos percentuais aos preços das commodities não energéticas e 3,5 pontos percentuais ao petróleo. O fenômeno também afetou o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), principalmente no Brasil, na Austrália, na Índia e em outros países vulneráveis.

“Com o mundo lutando contra a inflação alta e o risco de recessão, o El Niño chega exatamente no momento errado. Os bancos centrais têm poder mais limitado”, disse Bhargavi Sakthivel, economista da Bloomberg Economics. Segundo ele, enquanto as intervenções políticas tendem a manipular a demanda, o El Niño normalmente afeta a oferta.

De acordo com a agência, na Índia, por exemplo, a “redução das monções pode afetar as colheitas de arroz, algodão, milho e soja. Os Estados Unidos voltarão a ver tempestades de inverno mortais, embora haja uma queda geral no número de furacões. Partes do oeste e do sul da África poderão ser atingidas pela seca, afetando a produção de cacau e milho”.

“A Austrália pode sofrer com secas severas e incêndios florestais, o que prejudicaria a produção de trigo e outras culturas. No Brasil e na Colômbia, a vilã será a seca, que pode afetar a produção de café, mas o contrário acontece no Peru: enchentes generalizadas e redução na pesca de anchovas. Na China, as temperaturas já estão matando o gado e sobrecarregando as redes de energi”, acrescenta.

“Quando ocorre um El Niño além da tendência de aquecimento de longo prazo, é como um choque duplo”, disse Katharine Hayhoe, cientista-chefe da The Nature Conservancy. Os riscos são mais graves nos trópicos e no Hemisfério Sul. O El Niño pode cortar quase meio ponto percentual do crescimento anual do PIB na Índia e na Argentina, de acordo com o modelo da Bloomberg Economics.

O aumento geral das temperaturas amplifica os efeitos dos fenômenos climáticos. Os últimos três anos de La Niña – 2020 a 2023 – foram mais quentes do que todos os anos de El Niño antes de 2015. A Organização Meteorológica Mundial calcula que há uma chance de 98% de que a combinação do acúmulo de gases de efeito estufa e o retorno do El Niño fará com que o próximo período de cinco anos seja o mais quente até agora, levando as temperaturas globais a um território desconhecido.

“O El Niño só vai piorar os impactos da mudança climática que já estamos vivenciando – ondas de calor mais quentes, secas mais severas e incêndios florestais mais extremos”, disse Friederike Otto, professora sênior do Grantham Institute for Climate Change and the Environment.